Cores e desenhos na aprendizagem: a ciência explica!

Sabe aquela sua colega que tem uma coleção incrível de canetas coloridas e ainda tem um caderno cheio de florzinhas e bonequinhos?

Você pode não acreditar, mas algumas pesquisas sugerem que por causa desse colorido todo ela pode estar aprendendo muito melhor que você.

Assiste a este vídeo aqui para saber como estudos científicos comprovaram que o uso de cores e desenhos auxiliam na aprendizagem!

Se por acaso você não consegue assistir ao vídeo, pode ter acesso ao mesmo conteúdo lendo o texto abaixo.

Neste texto eu vou te contar, através de pesquisas científicas, como é que as cores e desenhos afetam a sua aprendizagem. E você também vai ler sobre:

Cores e desenhos para aprender?!? 

cerebro-cores-aprendizagem
Desenho de um cérebro colorido representando a facilidade,melhoria na aprendizagem

Se está desconfiado sobre o assunto desse texto, fique sabendo que não é o único. Muita, mas muita gente não acredita que os desenhos e as cores podem auxiliar na aprendizagem.

Eu vou começar contando para você que um dos maiores desafios que eu enfrento no treinamento AM³ é justamente esta etapa dos mapas mentais. Não de fazer o mapa em si, mas de dobrar a resistência dos alunos em começar a desenhar e colorir os seus mapas mentais.

É bastante difícil convencer pessoas já sobrecarregadas pelo excesso de conteúdo e falta de tempo, de que elas precisam realmente colorir e desenhar para aprender melhor…

No início é praticamente impossível elas enxergarem os benefícios que essa prática vai trazer aos estudos delas. Mas com o tempo e a experiência prática, tudo muda. E aí você pode se perguntar:

Como é que a Ana consegue ultrapassar essa barreira psicológica e fazer com que essas pessoas façam os desenhos e comecem a colorir os mapas mentais? 

Pensa comigo: quando você faz um treinamento, você se compromete com esse curso, se coloca disponível a mudanças e então você se força a pelo menos experimentar. 

E o que acontece depois do início das práticas parece até MÁGICA!

Ao usar os mapas mentais, uma, duas, três vezes, as pessoas percebem que as cores e desenhos mudam tudo.

Mas se você é aquela pessoa do tipo analítico, que precisa de comprovação científica independente para acreditar no que dizem para você, eu tenho DOIS artigos científicos para te apresentar. 😀

As pesquisas demonstradas nesses artigos analisaram justamente o efeito que cores e desenhos podem ter na aprendizagem das pessoas. E não é um estudo teórico, os pesquisadores foram para campo, fizeram experimentos com estudantes reais em dois países diferentes e então analisam o que é que acontece. 

Medindo os efeitos de cores e desenhos na aprendizagem

lupa-caderno-estudo

Dois grupos de pesquisadores iniciaram com a hipótese de que cores e desenhos no ambiente de aprendizagem provocariam emoções positivas. Um grupo de pesquisadores é de Nova Iorque (Estados Unidos) e o outro grupo da Alemanha.

Mas essa informação em si não é exatamente uma novidade. Existe uma vasta literatura na área de psicologia cognitiva mostrando que emoções positivas geram maior tranquilidade nas pessoas e por isso elas aprendem mais. A questão é que, seguindo a dedução lógica,  em um ambiente com cores e desenhos ocorre uma aprendizagem maior do que em um ambiente sem esses elementos.

A novidade desse estudo é como os resultados foram obtidos. Como é que os pesquisadores analisaram os estudantes e a aprendizagem para avaliar o desempenho?

O que foi analisado?

No experimento, os estudantes foram colocados em situações em que os ambientes e materiais de estudo eram de formas diferentes:

  • sem cores ou desenhos
  • com cores e desenhos
  • só cores
  • só desenhos.

Em todas as situações os cientistas analisaram seis aspectos:

  1. Compreensão: quando a pessoa compreende ou não determinado assunto.
  2. Transferência: fenômeno em que se aprende um conhecimento em um contexto e transfere para outro. Ou seja, você consegue usar o aprendizado em diferentes cenários. A transferência é muito importante pois está ligada a aprendizagem profunda. Você só consegue realizar esse processo por completo se o conteúdo foi aprendido de maneira aprofundada, caso contrário a aprendizagem foi superficial.
  3. Comportamento: a percepção da dificuldade que se tem sobre o material de estudo. Os estudantes tiveram acesso a formas diferentes um mesmo material de estudo: o primeiro na forma monocromática com desenhos simples e outro colorido e com desenhos significativos.
  4. Motivação: como a motivação afeta a quantidade de tempo investido para aprender um assunto.
  5. Atenção: por quanto tempo uma pessoa consegue se manter atenta a uma sessão de estudo .
  6. Satisfação: como a pessoa se sente depois de uma sessão de estudo. Pode parecer meio bobagem medir “satisfação”, mas se você encerra uma sessão de estudo com a sensação de bem-estar,  a sua mente cria uma conexão positiva entre estudo e o bem-estar. A consequência a longo prazo é que você fica cada vez mais motivado para estudar. Isso é super importante em uma era na qual precisamos estudar a vida inteira, certo? 😉

SEM cores e desenhos X COM cores e desenhos

cores-e-desenhos
Duas telas usadas nos experimentos com os estudantes. Note que as diferenças são mínimas, e intuitivamente deveriam fazer pouca diferença na aprendizagem. Mas não foi isso que os resultados mostraram…

E o que será que aconteceu quando os pesquisadores compararam a aprendizagem nos dois ambientes?

Sou tão suspeita a falar sobre esse tipo de pesquisa, mas para mim os resultados desses experimentos são simplesmente LINDOS! Os pesquisadores conseguiram mostrar, tanto no grupo de estudantes alemães quanto para os norte americanos, que as cores e os desenhos melhoram simplesmente TUDO!

Ou seja, todos aqueles SEIS aspectos estudados nos experimentos foram melhorados em situações com ambientes com cores e desenhos.

Isso quer dizer que as pessoas conseguiram aprender mais e com mais profundidade, porque elas conseguiram transferir o conhecimento de um contexto para o outro. Para completar, TODOS os aspectos comportamentais foram melhorados: a percepção de dificuldade foi menor em um ambiente com as cores e desenhos, a motivação foi maior e por isso as pessoas investiram mais tempo para aprender.

As pessoas também conseguiram manter a atenção e a concentração nos estudos por mais tempo e consequentemente saíram do ambiente muito mais satisfeitas com os seus resultados. 

Para tornar os resultados ainda mais sólidos, os pesquisadores separaram as cores dos desenhos, estudaram seus efeitos juntos e separados. E os resultados se mantiveram consistentes, mostrando que tanto cores quanto desenhos tem o seu papel, e que juntos eles são mais fortes.

Esse resultado é muito forte!

Geralmente quando se faz um experimento com tantas variáveis, algumas ficam do lado positivo, outras nem tanto, outras não sabemos interpretar muito bem…

Só que nesses dois experimentos, TODOS os aspectos estudados melhoraram quando os alunos eram colocados em situações com cores e desenhos. Ou seja, o resultado é muito forte e consistente para a gente fingir que ele não é relevante…

Além da aprendizagem: a satisfação e seus efeitos…

Os pesquisadores também fizeram uma análise que relacionava as emoções positivas induzidas nos alunos pelo ambiente colorido.

Eram duas as maneiras de induzi-los a uma sensação de bem estar para estudarem:

  • Uma dessas maneiras era a indução externa, por exemplo através de um filme engraçado antes da sessão de estudos. Assim os alunos acabavam ficando mais leves e tranquilos para partir para a aprendizagem.
  • A outra forma era através da indução interna, ou seja, do próprio ambiente de aprendizagem (no caso, as telas do software).

Primeiramente a equipe da pesquisa concluiu que o ambiente com cores e desenhos era capaz de trazer à tona emoções positivas da mesma forma que um recurso externo, como por exemplo, um filme engraçado.  

O que é mais legal nisso tudo é que quando a emoção positiva era gerada pelo próprio ambiente de aprendizagem, os efeitos na aprendizagem e em todos os aspectos estudados eram maiores. 😀

Você consegue entender o que estes estudos científicos apresentam?

Os resultados dessas duas pesquisas mostram CLARAMENTE o seguinte:

O uso de cores e desenhos na hora de estudar é um investimento que vale muito a pena, porque tem efeitos concretamente mensuráveis em vários aspectos da aprendizagem.

Olha, vou te dizer uma coisa: se essa pesquisa não te convenceu que colorir e des03b41946enhar seu material de estudo é importante, então eu não sei o que vai te convencer!

Mas eu sou muito curiosa… ]

Eu gostaria que você me contasse aqui nos comentários: por qual motivo você ainda não usa cores e desenhos nos seus estudos? 

Ou será que este artigo fez você mudar de ideia? Me conte aí embaixo, quero saber o que você pretende fazer com esta informação! 😉

Ah, você também pode se preferir ler um dos artigos originais.

29 Comentários


  1. Assistindo seus videos e lendo seu artigos descobri que estou no caminho certo. Mesmo sem saber já estou fazendo da maneira correta já qua não sei estudar sem resumir, anotar e sublinhar o conteúdo estudado. Quanto a colorir desde da época da escola não me lembro de marcar os textos ou anotar com lapis ou canetas coloridas. Fico muito satisfeita em saber existem estudos voltados para melhorar e principalmente comprovar que apreender é muito mais do que receber conteúdos e sim crescer intelectualmente para no futuro contribuir com o aprendizado de outros!!! Muito bom o seu trabalho!!! Parabéns!!!

    Responder

    1. Olá, Maria. Que bom que o vídeo te ajudou. Obrigada pelo seu comentário!

      Responder

  2. Olá Professora Ana, boa tarde!

    Estou gravando vídeos sobre a metodologia Design Thinking e no vídeo de hoje, vou abordar sobre a ferramenta de Mapas Mentais. Somente avisando que vou citar o seu canal para que os meus alunos como realizar a montagem e estudo através da ferramenta, ok? O que é bom deve ser divulgado!
    Um grande abraço e parabéns pelo canal muito bem organizado e rico em conhecimento!
    Profº Julio Cesar Passos

    Responder

    1. Olá, Julio Cesar. Sem problemas! Obrigada por repassar essas informações.

      Responder

  3. OI, Ana! Nossa estava com saudades de seus vídeos! Passei aqui para dar uma espiada =). Como eu já sabia, o canal está ainda melhor =). Parabéns e obrigado pelo seu trabalho!

    Responder

  4. Olá Ana, muito obrigado por fornecer tanta informação valiosa.
    Gostei muito de seus métodos de ensino, quando sai a próxima turma do curso mencionado no artigo?
    Abraços.

    Responder

      1. Por favor me passa uma previsão, pois tenho muito conteúdo para estudar e quero começar da forma certa, para não criar vícios de aprendizagem. manda no meu e-mail uma previsão, para que possa ver se dá para esperar.

        Responder

        1. Olá, Jones. Finalizamos as matrículas da turma 9 no início deste mês. A próxima será somente daqui a 6-8 meses.

          Responder

  5. Ana, quando você falou de associações, o que realmente você quer dizer? as imagens não coincidem com as palavras?

    Responder

  6. Ana, boa tarde!

    Excelente vídeo, parabéns!

    Comecei a fazer os mapas mentais e observei uma grande melhora, ou seja, tanto na agilidade quanto na alegria em revisá-los, pois quando pensava em revisar todas aquelas páginas rsrs, já batia um desânimo, mesmo sabendo da importância das revisões.

    É incrível quando se faz associações, ou seja, os textos e imagens veem de uma forma tão natural que é difícil de acreditar.

    Preciso, por favor, que você me esclareça umas dúvidas, pois estou tendo MUITAS dificuldades em trabalhar com essas variáveis. As dúvidas são as seguintes:

    1. Quando tenho um conceito grande, tipo: “Disciplinar o crédito em todas as suas modalidades e as operações creditícias em todas as suas formas, inclusive aceites, avais e prestações de quaisquer garantias por parte das instituições financeiras”. Como faço para estrutura isso nos ramos?

    2. Precisarei colocar desenhos em tudo?

    3. Diante da importância de se ter desenhos e imagens, no caso da disciplina de português, como colocar desenhos nesse mar de regras rsrs.

    Obrigado!

    Responder

    1. Ana, ia esquecendo: Os mapas que fazemos, a gente pode enviar para vocês avaliarem, a fim de sabermos como está o nosso aprendizados com os mapas?

      Responder

      1. Oi, Sérgio, tanto nesta pergunta quanto na anterior, vc está entrando no escopo daquilo que ensinamos e oferecemos no Treinamento AM³. Nele a gente detalha como trabalhar especificamente com materiais mais abstratos, como português, e também oferece tutoria para analisar os seus mapas. Se quiser ser avisado da próxima turma, por favor, vá até o seguinte link:http://maisaprendizagem.klickpages.com.br/matriculas-setembro-2016-encerradas
        Abração!

        Responder

    2. Oi, Sérgio, fico muito feliz que vc esteja conseguindo ver a real diferença que os mapas podem fazer, principalmente nas revisões, que são realmente fundamentais. Leia por favor a minha resposta a sua outra pergunta, ok? Abraço! 🙂

      Responder

  7. Ana, quanto tempo você leva para revisar 2 mapas mentais ? estou usando a revisão espaçada e levo mais ou menos 50 minutos para revisar 2 mapas mentais, estou fazendo algo errado ou é esse tempo mesmo ?.

    Só mais uma pergunta, revisando os mapas mentais com a repetição espaçada, quando eu acabar revisando muito mesmo, eu ficarei com o conhecimento para sempre em minha memória? é possível aprender para a vida toda?

    Responder

    1. Oi, Alan, isso me parece um pouco demais. Se for um mapa tamanho A4 e estiver completamente pronto (isto é, com cores, desenhos e associações) o tempo de revisão deve ser de alguns poucos minutos, no máximo 5 por mapa. Talvez vc esteja como poucos desenhos e associações, daí a sua memorização fica mais “força-bruta”. Neste caso vai demorar muito mesmo.
      Não existe este conceito de “memorizar para sempre”, pelo menos não para um cérebro normal. Por exemplo, já conheci brasileiros que moraram fora do Brasil muitos anos e começaram a esquecer as palavras em Português. O que acontece é que vc pode cada vez mais espaçar a revisão. De repente, uma olhadinha a cada 6 meses será suficiente para manter aquele conhecimento na sua cabeça se isso for importante para vc.
      Aqui a gente tem que ser realista com o nosso cérebro: estamos querendo memorizar para sempre porque aquela informação é relevante ou porque seria “bacaninha” memorizar para sempre? Inclusive pessoas com defeitos no cérebro que permitiam esta memória permanente de tudo o que elas viam demonstravam sérios problemas para raciocinar mais a fundo, porque memórias demais também atrapalham… 😉

      Responder

      1. Obrigado, mas…eu li alguns livros que falavam que a inteligência vem da quantidade de neurônios, ou seja, da quantidade de coisas aprendidas, leituras(leitura prazerosa é cláro), jogos de raciocínio…. tudo isso faz nosso cérebro ficar com redes mais complexas né? então…. quer dizer que o neurônios vão sumindo? e ai eu vou ficando como eu era antes?.

        Ei, obrigado mesmo Ana, eu vou procurar onde está meu erro na hora de revisar, já comprei o livro do Tony Buzan “use sua mente”, quero ver se ele aprensenta algo sobre revisão.

        já conheço todas as técnicas de memorização apresentadas nesses livros de estudo, mais não vi nenhum falando bem sobre revisão.

        os livros sempre falavam: “é necessário revisar o conteúdo” mas ninguém nunca fala como se revisa. eu só vi a revisão espaçada no seu vídeo chamado ” hackeando a mente para aprender uma quantidade imensa de informações”. Se puder fazer um vídeo sobre revisão, ajudaria muitas pessoas. 🙂

        Responder

        1. Os neurônios não vão sumindo, Alan, mas as conexões entre eles vão ficando mais fracas por falta de uso. Mais ou menos como uma fibra muscular, que não deixa de existir, mas atrofia na falta de exercícios. Vou colocar este tema da revisão na lista de conteúdos a serem publicados. Ela é grande, então não posso prometer uma data, ok?

          Responder

  8. Oi Ana Lopes! Achei muito interessante esses resultados. Eu não uso muitas cores, apenas mudo para títulos. No entanto, vou tentar aumentar a variação de cores, mas o que me preocupa é querer manter a mesma cor de acordo com o nível da informação, por exemplo, itens de um mesmo assunto com cores iguais. O que me preocupa é dissociar estes itens com cores diferentes, caracterizando na mente que algo não tem relação com outro, quando na realidade tem. Vamos ver. Abraços e obrigada pelas dicas!

    Responder

    1. O cérebro não irá entender desta forma se você não fizer essa diferença. Nos mapas mentais, por ex, todos os ramos dizem respeito a uma mesma ideia central, ou seja, um mesmo assunto e cada ramo é colorido de uma cor com seus próprios desenhos. 😉

      Responder

  9. Oi Ana!
    Adorei o vídeo, já passei pra minha esposa pra ela dar uma conferida também 🙂 Coisa boa a gente sempre passa pra frente né? 🙂

    Vamos lá… a razão de eu ainda não utilizar cores nos meus mapas mentais é a questão do tempo para colori-los é a praticidade mesmo… às vezes estamos num ritmo de consumo de material e ao mesmo tempo fazendo o mapa e ficar trocando de canetas acaba tomando um tempo e concentração preciosos… então, talvez essa seja uma das razões principais de eu não utilizar várias cores.

    Mas, depois de feito, sem dúvida um mapa monocromático é bem menos estimulante já de cara né? 🙂 Então, vou na papelaria compra mais canetas pra fazer meus novos mapas.

    Abraços Ana, obrigado por fazer isso tudo por nós, seus seguidores.

    George Allan

    Responder

    1. Olá, George. Realmente, nem sempre dá pra ficar trocando de cores, até mesmo em uma aula ao vivo fica complicado. Mas você pode colorir e desenhar quando for fazer a sua primeira revisão. As canetinhas hidrocores dão mais agilidade do que lápis de cor, por ex. Faça o teste e depois nos conte 🙂

      Responder

  10. Essas informação são incrível …. Farei o que vc pediu e postarei após o resultada.

    Obrigada

    Responder

  11. Boa noite Ana,me chamo de Marcelo Mello,bom vou direto ao assunto,minha filha de 12 anos resolveu pintar as chaves dos cadeados com cores diferentes e automaticamente fez em minha mente uma sensação agradável,ou seja,é ,eu consigo rapidamente distinguir quais chaves eu direciono para o cadeado certo e até digo para as pessoas de meu convívio,então,lhe pergunto ,como faço para trazer essa sensação agradável para meus estudos,,!,,,, me ajude por favor,ficarei agradecido.Sabe com as cores consigo atrelar objetos e números seja o que for às cores.

    Responder

    1. Olá, Marcelo. Nos estudos você deve fazer da mesma forma, um ótimo exemplo de como fazer é o mapa usado nesta videoaula com cores e desenhos. Os desenhos podem ser mais simples, mas só de você se forçar a fazer a informação ficará gravada na sua memória com mais facilidade. Tente, só assim conseguirá ver o resultado.

      Responder

  12. Ana,
    Curiosamente eu sempre achei isto, ou seja, que as cores ajudam a fixar melhor as informações.
    Meus livros de estudo sempre foram coloridos por mim Eu usava um “código de cores” para marcar os assunto. Quando comecei a dar aula lá pelos anos 70, minha caixa de giz era um “arco-iris”.
    Usava este recurso por intuição e hoje que faça pintura como hobby percebo como as cores são importantes na nossa vida. Ninguém vive em preto e branco.
    Parabéns pelo vídeo.

    Responder

    1. Que ótimo ter tido essa percepção mesmo sem ter o conhecimento de que ajudava. E melhor ainda que passava isto para os alunos.
      Obrigada pela participação.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *