O ponto da virada na aprendizagem

Alguma vez na sua vida você começou a fazer um curso, ou a ler um livro, e acabou parando pela metade? Se a resposta foi “muitas vezes” você é como a maioria dos mortais. Mas não se preocupe, nesse post falo sobre curva de aprendizagem, vou te ajudar a entendê-la, e assim a finalizar essas tarefas inacabadas.

Você termina de ler os livros que compra?

Existe uma estatística alarmante a respeito da leitura de livros. O infográfico feito pela “Good Reads” – um site em que as pessoas compartilham diversas coisas a respeito das suas experiências de leitura – apresentou uma pesquisa sobre até quantas páginas as pessoas do site acabam lendo dos  livros que compram. O resultado foi que mais de 60% das pessoas não terminam suas leituras.

Essa estatística se torna mais alarmante se lembrarmos que as pessoas que estão registradas “Good Reads” são pessoas que gostam de ler. Isso nos leva a pergunta inevitável: se para um “clube do livro” os números são esses, imagine agora para a maioria da população? A proporção certamente é muito maior! Ou seja, muito mais pessoas abandonam seus livros e aprendizados antes de concluí-los… 🙁

Isso é realmente muito grave, pois reflete a dificuldade das pessoas  avançarem nos seus objetivos de aprendizagem, mesmo quando alguma motivação inicial as leva a começar.

O fato é que existe um ponto-chave na relação entre motivação e aprendizagem. Esse é exatamente o ponto em que as pessoas desistem,  e se você aprender a identificar esse ponto e a ultrapassa-lo, você vai acabar fazendo parte daquela minoria, que consegue terminar o que começou, e consequentemente realizar seus sonhos de crescimento pessoal e profissional.

Por que a aprendizagem começa bem e depois parece estancar

key

No gráfico ilustrativo mostrado no vídeo podemos observar que existem duas curvas: azul para aprendizagem, que começa na hora que você tenta aprender os primeiros conceitos de um assunto novo. Conforme o aprendizado flui, a velocidade dele cai drasticamente, por conta do aprofundamento do assunto, e conceitos básicos que não foram bem entendidos podem tornar-se obstáculos a esse aprofundamento.

Portanto o grau de aprendizagem no início de qualquer coisa nova é bem lento. Na medida que você se familiariza com o assunto, a velocidade do aprendizado aumenta, pois você vai conhecendo a maior parte dos conceitos fundamentais e tendo mais ganchos mentais para encaixar as informações novas.

Já na curva laranja do gráfico, temos a motivação.  Normalmente você começa o aprendizado motivado pela novidade. Com a lentidão da aprendizagem inicial, o nível de motivação vai caindo, até chegar no ponto muito baixo, que é um momento de frustração e desânimo.

É esse o ponto chave!

É nele que se diferenciam as pessoas que vão atingir os seus objetivos ou não, no caso terminar ou não o aprendizado ou a leitura do livro. Com persistência e paciência para suportar essa fase do estudo, você continua estudando, e terá  como resultado, o aumento gradativo na velocidade do aprendizado.

O motivação então volta a aumentar, chegando finalmente no topo, com altíssima motivação novamente. O sentimento de aprender coisas novas e estar com amplo domínio do que aprendeu (a famosa maestria), é extremamente prazeroso. Essa é a fase do auge do aprendizado, e pode ser o início de um caminho para a expertise no assunto.

Mas o que importa no começo disso tudo, é exatamente o ponto chave.

A dica é: quando estiver aprendendo algo novo e se sentir desmotivado, sem vontade de progredir e finalizar o estudo, saiba que você está no ponto que citamos, e que ele vai passar se houver persistência.

Respire fundo e continue, uma hora a motivação volta! Assim no fim você vai realizar aquele sonho de aprender o assunto que tanto queria saber!

😀

Agora é sua vez, conte sua história!

Alguma vez na sua vida você se deparou com situação parecida? Em que no começo do aprendizado a motivação era grande, porém acabou não terminando o que começou, causando só frustração?

Se não desistiu, conte como você conseguiu superar a fase da desmotivação, e seguir em frente em busca do término do aprendizado!

Comente aqui no blog, sua participação é essencial!

36 Comentários


  1. Ao ver esse vídeo, eu de cara me lembrei do livro clássico “o Atheneu”. É o único livro que tenho ,desde a adolescência, que eu nunca li inteiro. O que me frustra até hj. Mas isso aconteceu não porque seja desinteressante. Amo ler e os clássicos são uma das minhas paixões. Foi o único livro que pra mim tem uma linguagem difícil de entender e de atrair consequentemente algum interesse. De resto, eu posso demorar a terminar, mas sempre leio tudo.

    Responder

  2. Olá Ana 😀 …
    Desde que conheci o o maisaprendizagem que estou super motivada e empolgada para continuar a assistir os teus vídeos e melhorar a eficiência do meu estudo. Apesar de ainda não consegui encontrar o horário das aulas online para assistir.
    Chamo Deisy, sou caboverdiana e vivo atualmente em Portugal!
    Sou estudante de mestrado de Fisioterapia em Neurologia, e a minha primeira avaliação foi um grande fracasso pessoal que acabou por destruir a minha motivação inicial.
    Exactamente por isso comecei a pesquisar estratégias e técnicas para melhorar as minhas competências e tapar os buracos da minha aprendizagem.
    Deste modo, encontrei o seu blog o qual estou apaixonada porque principalmente cada video seu é uma aprendizagem para mim e para minha forma de ver os estudos e também para quebrar os vários preconceitos que tinha/tenho sobre aprendizagem,

    Assisti agora o video e identifiquei muito com cada palavra e principalmente teve um grande impacto em minha vida porque percebi que estou na fase de aprendizagem que é preciso perseverar para continuar e não desistir do meu mestrado.

    Só tenho a dizer OBRIGADA porque realmente precisa ouvir essas palavras!
    ObS: Tenho muito que mudar e muitas dúvidas em relação a alguns vídeos e gostaria de saber como/aonde poderia expô-las de modo mais adequado!

    Responder

    1. Oi, Deisy, que legal ter uma aprendiz internacional e tão empolgada! 🙂
      Normalmente a gente (eu e a minha equipe) responde aqui no blog mesmo, só é preciso ter paciência para esperar que a gente consiga
      chegar nas suas perguntas.

      Responder

  3. Oi Xará! Tudo bem?
    Pois então, voltei a esse vídeo 🙂
    E pude vivenciar o que você fala nele com o seu blog mesmo… Eu comecei a ver as postagens desde o início, estava super empolgada, ainda mais que não tinha muitas postagens, a meu ver, e que os vídeos não são muito longos, eu “Oba, dá para ver desde o começo e começar a acompanhar as postagens atuais…!”
    Você mesma deve ter notado minha empolgação, comentava em quase todos os vídeos rs.
    Daí o tempo passou e mesmo eu entrando no AM³ deu uma diminuída na empolgação.
    Primeiro porque eu preciso urgentemente reorganizar meu quadro de estudos. A vida mudou e ele ainda não e ele está SURREAL.
    Segundo porque por mais que eu seja independente para muitas coisas, eu ainda sinto a necessidade de ao menos conversar com alguém sobre as técnicas de aprendizagem que tenho aprendido. E o povo andar em um torpor que só por Deus… rs Estou quase sacudindo o povo para ver se acordam…rsrs

    Enfim, estou insistindo e rever esse vídeo melhorou a motivação. Vou parar não!

    Beijinhos!!!

    Responder

    1. Que legal que se motivou, Ana!! Acho que o povo não está bem num torpor, eles estão empolgados com os próprios mapas! 😉

      Responder

  4. Oi Ana, tudo bem?
    Tenho uma dúvida que talvez sirva de sugestão.
    Seus vídeos são muito bons, parabéns e obrigada! Mas eu fico perdida aqui rsrs. Quero ver tudo e me atrapalho :\
    Um vídeo está associado ao outro, queria seguir a ordem dos MA, mas tem vídeo que não tem a numeração e eu fico com medo de nunca mais vê-lo e ele ser importante…
    Meu Deus, é uma loucura rsrs
    O que devo fazer?
    Como controlar essa “necessidade” de saber de tudo?

    Obrigada mais uma vez?

    Responder

    1. Acho que vc já descobriu o jeito, Ana. Assista um por dia, de acordo com a sua necessidade e interesse do momento. Bjs

      Responder

      1. Descobri sim 🙂
        Esse lance de ser autodidata tem se aplicado em todos os campos da minha vida 🙂
        Feliz com essa conquista!!!

        Responder

  5. Olá Ana recebi o link de seu site por um professor e resolvi ver pois forma muito boas as recomendações.
    Assisti o Vídeo da Curva da aprendizagem e me visualizei no ponto mais em baixo, pois o curso que faço realmente está muito pesado, mas tenho que superar essa fase e vencer, vou seguir com perseverança como você falou e em breve espero ter superado essa fase e retorno para dar meu depoimento.

    Responder

    1. Oi, Irineu, fico muito feliz da vídeo-aula ter te ajudado justamente nesse momento mais difícil. Estou esperando por você aqui! 😉

      Responder

  6. Impossível não ter relacionado essa curva da aprendizagem com a vida espiritual: temos momentos de fervor e momentos de aridez ,onde não recebemos mais as consolações de antes, mas o importante é permanecer fiel ao nosso foco, com o coração no Alto.

    Parabéns pelo Mais Aprendizagem, tem me ajudado bastante!

    Responder

    1. É uma forma de superar a fase da desmotivação e caminhar em busca dos seus objetivos.
      Abraço, Marcelo.

      Responder

    1. Gilberto, na realidade a pessoa está fazendo uma associação de coisas abstratas com coisas concretas no intuito de facilitar a memorização de algo a partir desta associação.
      Essas associações com objetos do mundo real são positivas.
      Abraço, Marcelo.
      Gerente de relacionamento.

      Responder

  7. A desmotivação esta sempre me perseguindo, uma das minhas metas para esse ano foi ler um livro por mes, otimo, janeiro li dois, fevereiro li dois,março não consegui chegar a metade do livro ainda. Adoro ler mais tenho um probleminha chamado falta de concentração e outro chamado dificuldade de interpretação, memorização sei tenho problema sei, as vezes termino uma leitura e só sei falar metade da metade do que eu li o restante se perde em algum lugar da memoria, iso esta começando a me abalar, mas contudo isso não deixo de ler todo os dias,pelo menos uma pagina de reista eu leio. Com o mais aprendizagem pretendo mudar tudo isso, sei que para isso acontecer preciso me dedicar, ai vem a questao da falta de tempo, ta enfim sei que vou ter a ajuda que preciso aqui. Muito álida essa iniciativa, esse projeto, esse tipo de negocio não sei como rotular, mais adoro, muito obrigada Ana.

    Responder

    1. Gissele, muito bom vc trazer alguns comentários da sua questão com o ponto da virada na aprendizagem para este espaço.
      O seu testemunho enriquece bastante este ambiente de compartilhamento de ideias.
      Torço para que vc se motive cada vez mais nas suas iniciativas de vida.
      Abraço, Marcelo.
      Gerente de relacionamento.

      Responder

  8. Bom dia Ana,

    Impressionante! Não acreditamos que as nossas falhas e desmotivações são compartilhadas. Eu não via isto. Até recentemente acreditava que a falha estava associada à mim, e apenas a mim por algum motivo genético ou “divino”. Afirmando que a maioria consegue, e eu não, e consequentemente desisto.
    Obviamente as dificuldades que aparecem nos derrubam, porque deixamos. E é fato! Que sabemos o que temos que fazer, mas parece que entramos em uma órbita de desmotivação, de não ter um rumo, não ter vontade de prosseguir porque nada dá certo pra mim (experiência própria; ainda vivo isto, mas luto contra). Desculpe pelo desabafo.
    Mas quando procuramos saber, pesquisamos sobre o a desmotivação humana, como o que estou fazendo há algum tempo, começamos à perceber o quanto somos parecidos, e o diferencial está dentro de nós. Mas não é fácil de identificar e não é contínuo seu ponto de auto-afirmação e continuidade (conforme você demonstrou no gráfico) de algo que esteja fazendo, como o ato ler, iniciar e terminar, um livro. Como tudo, é fácil falar (escrever), mas fazer, é bem diferente.
    Procuro dizer e usar as palavras: EVOLUIR SEMPRE!
    Aprender a se policiar é a questão. E dar continuidade, é o diferencial. É o que coloco pra mim todos os dias.
    Um grande abraço!

    Responder

    1. Esses seus questionamentos vão de encontro com o que o post está propondo…o ponto da virada…no primeiro momento a gente vai entendendo um pouco mais até alcançar o ponto onde a partir do que não enxergada, passaríamos a visualizar ou acessar esta camada da realidade que não conhecíamos…o segundo momento é a mudança de hábito…uma espécie de renovação/atualização das ideia que nós internalizamos e que agora começamos a pensar sobre as mesmas…o ato de parar para pensar já é por si só o ponto da virada…é isso aí, André.
      Abraço, Marcelo.

      Responder

  9. Ana, fantástico! Obrigado por compartilhar estas informações. Com certeza isso vai me ajudar nos meus estudos para aprender Inglês e Espanhol.

    Responder

  10. Incrível esse vídeo! Conclui o curso de Direito esse ano e durante minha preparação para o exame da OAB me senti desesperada por várias vezes, questionando inclusive minha opção por essa graduação e aptidão para atuar na área. Na época, eu não tinha conhecimento de que este era um sentimento natural e que muitas pessoas passam por isso. Sem dúvida, a pressão de minha mãe e meu pai para continuar estudando, pegando no meu pé e não deixando que eu desistisse, foram fundamentais para minha aprovação. Acredito que sem eles não teria conseguido superar a baixa na motivação.
    Com esse vídeo, sempre lembrarei que no momento de insegurança devemos PROSSEGUIR! Mais cedo ou mais tarde algum resultado aparecerá!

    Muito obrigada! Continue postando vídeos e textos! Indiquei o blog e o canal no youtube para vários amigos!
    Sucesso!!!

    Responder

    1. Ótimo Denise pelo fato deste vídeo te de tocado. Olha só a ajuda das pessoas que gostam muito de você, né…como é fundamental este tipo de apoio..até para nos manter no percurso da construção da nossa própria maturidade…
      Bacana!!
      Abraços, Ana.

      Responder

  11. Muito bacana o video Ana. Eu estudo para concurso há 2 anos, cumpria religiosamente 4 horas semanais. Agora estou com uma fadiga mental que dificilmente consigo me recuperar inteiramente. Dessa forma diminui meus estudos e investi em conhecimento, comprei alguns livros de motivacao, planejamento, crescimento ( principalmente dos coachs internacionais – como Jim Loehr, Tony Schwartz.Ja pratico atividades 3 vezes por semana. Estou procurando outras formas para voltar em forma.

    Responder

    1. Geraldo, é como você estivesse no seu ponto de virada no sentido de atenuar a sua carga de estudo.
      Como você falou…procurando outras formas para lidar com a questão da fadiga, né! É isso mesmo.
      Abraço, Ana.

      Responder

  12. Ana, você sempre surpreendendo!!! Que show de artigo e vídeo. Quantas vezes não chegamos lá, não porque fracassamos mas porque estávamos a um passo do ponto da virada em um aprendizado mas não tínhamos noção disso. E pensar que mais um pouquinho e a curva começaria a subir. Como é importante tomarmos consciência deste processo. Imagine quantas pessoas se beneficiarão com esta informação tão preciosa que você acabou de compartilhar!!!
    Que maravilha! Vou multiplicá-la. Cabe a nós educadores, sermos agentes multiplicadores de um conhecimento desta qualidade! Vou compartilhar seu vídeo com a minha lista!
    É por isso que te admiro cada dia mais!
    Obrigada!

    Responder

    1. Márcia, fico muito satisfeita em ouvir suas considerações sobre este assunto.
      Essa ideia de compartilhar informações me alegra muito.
      Obrigada por compartilhar este post na sua lista.
      Abraço, Ana.

      Responder

  13. Eu me senti assim por vários momentos. Adorei muito este vídeo, pois eu me identifiquei com ele. Só em ter descoberto os seus vídeos e o Blog já me sinto mais motivado. Parabéns.

    Responder

    1. Fábio, legal que você identificou-se com este post sobre o ponto da virada na aprendizagem…bom que foi uma identificação para a motivação.
      Abraço,Ana.

      Responder

  14. Ana bom dia. Estou passando por uma situação muito difícil onde não encontro uma direção. Sempre fui bom aluno no colégio apesar de ter uma dificuldade maior em matemática. Tentei medicina 3 anos consecutivos e cheguei muito perto mas não passei. Por conta de física acredito. Cheguei a tentar 1 semestre de biologia na reopçao mas não continuei. Como era fã de games e gostava de desenhar resolvi no quarto ano arriscar ciência da computação mas foi muito frustrante pois não avançava em cálculo, álgebra e nem no básico da programação e por isso passei mais 4 anos perdendo tempo sem sair do primeiro período. Em seguida fiz vestibular para direito meio que para fugir da frustração que obtive nas exatas. Isso foi em 2006. Hoje, 8 anos depois, com 34 anos, uma filha de 2 anos e em um emprego público de nivel médio, cumpri apenas 30 por cento do curso de direito e não me sinto motivado nas aulas. Sinto que não vou ter força para continuar. Eu sinto que detesto direito mas ao mesmo tempo quero terminar o curso para dar uma vida melhor para minha filha. Não sei o que fazer. Desperdiçei muito tempo da minha vida. Me socorra Ana por favor. Não sei mais o que fazer. Estou desesperado, angustiado. Obrigado. Deus te abençoe.

    Responder

    1. André, entendo perfeitamente a sua questão, não é fácil a busca de qual caminho seguir. De maneira geral essa busca gera muita frustração, insegurança principalmente devido sempre estarmos envolvidos em uma série de outras questões de fórum pessoal e ai a coisa vai ficando um pouco mais complexa. Complexo aqui não quer dizer impossível, pois cada coisa tem um tempo para acontecer.
      Pense nisso!!
      Abraço,
      Ana.

      Responder

  15. Estou acumulada em livros para ler e estudar do meu curso de atualização !! Obrigada pela dica!

    Responder

  16. Olá ANA,
    é um prazer externar meus processos de busca do saber.Com as letras,nunca foram problema. Mas em cálculos, meus esforços causavam,bloqueio total.dores de caberça, cansaço,sono.Eu me esforçava, seguia até onde, meu cérebro ñ registrava,digo melhor.Ele apagava o que eu ia entendendo.Eu achava que estava entendendo, mas qdo eu tentava fazer,ñ havia sequencia no entendimento.Assim, eu procrastinava. Sofri bullying,repetir ano e nunca tive olhares de compreensão.Ainda convivo com a dificuldade,mas gerencio melhor a ansiedade. Assim,ñ me aprofundo no assunto, uso apenas o básico.
    Acho importânte ouvir pessoas da áre,para eu enquanto prof. ajudar ñ só a mim mas aos alunos.
    Super beijo. obrigada.

    Responder

    1. Antonia, legal que esse post tenha lhe estimulado a fazer uma reflexão sobre o seu percurso escolar e levado a você relatar aqui neste espaço as suas impressões. Algo que você falou e achei bacana foi que você hoje: “gerencia melhor a sua ansiedade…”, né!
      Essa percepção de si é importante para que possamos lidar melhor com as reações difíceis da vida.
      Abraço, Ana.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *