26 Comentários


  1. Bom dia! Não me convence! Acredito que o homem depende de seu pensamento! E qu se esses pensamentos forem de lamúrias ou gratidão tem sua diferença ! Por isso não me convenceu!

    Responder

    1. Marluce, tudo bem….é uma outra forma de se relacionar com a questão que estou propondo aqui.
      Abraço,
      Ana.

      Responder

  2. Ana,
    Me considero seu seguidor, infelizmente hoje só tenho recebido…nada de dei em troca…seu curso parece bom…mas ainda está acima das possibilidades…mas não tem problema. Hoje ouvido vc me despertou algo muit interessante…estamos diante de grande desefio: a quantidade de informações disponíveis muito superior a nossa capacidade de absorção…sera?Claro que não…temos que mudar o método…e é isso que vc vem trazendo para nós.
    Abraços.

    Responder

  3. És minha inspiração de querer ser melhor a cada dia, obrigada por contribuir, não só comigo, mas com todos que precisam e buscam aprender, vc me ajuda muito, que toda essa dedicação tenha o melhor retorno possível para você, vc é um sucesso,um exemplo! Muito grata! Sou sua fã!

    Responder

  4. Olá Ana, que legal esse site sobre aprendizado. Confesso que sempre tive muita dificuldade em aprender de forma linear e apesar de ter conhecido algumas maneiras diferentes de aprender ainda tenho minhas limitações, como é o caso dos mapas mentais. Você consegue passar o conteúdo de forma simples e compreensível. Estou adorando aprender por aqui, obrigado.

    Responder

  5. Ana, obrigado por esse artigo.
    Eu que sempre, fui um “raciocinador”, tentando entender tudo que acontece na vida.
    Acompanhando esse seu relato, tenho que ponderar, que faz muito sentido, tudo que foi dito por você. Inclusive também lendo esse poema acima do Fernando Pessoa, tenho que dizer, que muitas vezes, a luz que nos aclara as ideias, chega justamente naqueles momentos, em que relaxamos, e deixamos o raciocínio de lado. É quando algo em nosso cérebro, em nossa mente, enfim no universo, nos trás uma elucidação, sobre aquilo que buscávamos.

    Responder

  6. Fernando Pessoa, sob o heterônimo de Alberto Caeiro, escreve muito sobre este tema de “ver x pensar”:

    O meu olhar é nítido como um girassol.
    Tenho o costume de andar pelas estradas
    Olhando para a direita e para a esquerda,
    E de vez em quando olhando para trás…
    E o que vejo a cada momento
    É aquilo que nunca antes eu tinha visto,
    E eu sei dar por isso muito bem…
    Sei ter o pasmo essencial
    Que tem uma criança se, ao nascer,
    Reparasse que nascera deveras…
    Sinto-me nascido a cada momento
    Para a eterna novidade do Mundo…

    Creio no mundo como num malmequer,
    Porque o vejo. Mas não penso nele
    Porque pensar é não compreender…

    O Mundo não se fez para pensarmos nele
    (Pensar é estar doente dos olhos)
    Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo…

    Eu não tenho filosofia; tenho sentidos…
    Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
    Mas porque a amo, e amo-a por isso
    Porque quem ama nunca sabe o que ama
    Nem sabe por que ama, nem o que é amar…

    Amar é a eterna inocência,
    E a única inocência não pensar…

    Alberto Caeiro, em “O Guardador de Rebanhos”, 8-3-1914

    Responder

  7. Oi Ana, é impressionante como resistimos a aprender o novo. Estou nessa de começar a aprender uma lingua mas a coragem não vem, agora com as suas dicas de dividir vou tentanr novamente.

    Muito Obrigada pelas videoaulas….não para não!!!!!!

    Responder

  8. Mais uma vez, excelente vídeos. Vem confirmar a idéia corriqueira que voce deve estar sempre aberto as novas formas de aprendizagem.

    Responder

  9. Muito bom, maravilhoso realmente não tinha pensado nisso mais você despertou-me, foi muito proveitoso. Porque muitas coisas fazem sentido agora.

    Responder

  10. Ana, o conteúdo dos seus vídeos são simplesmente fantásticos, e este vídeo MA #2 – Seu cérebro faz tudo para não pensar…, me lembrou que, muitas pessoas simplesmente não aceitam discutir novos caminhos, tanto na aprendizagem, como no conhecimento, e assistindo o seu vídeo pude compreender que esse fato seja em função dessa natureza, do próprio cérebro em usar o que se habitou como certo e agora rejeita mudar de opinião sobre outra possibilidade, pois sabemos que nosso raciocínio não é confiável, e portanto, muitos dos hábitos, principalmente relativos ao conhecimento, podem não ser confiáveis e nos levar a memorizar estes dados e formar hábitos não confiáveis, e não concordar com outras possibilidades para esse conhecimento. O que fazer nesse caso, em que nosso cérebro simplesmente se nega a aceitar raciocinar novamente uma nova forma de entendimento e recriar novos hábitos, ou não criar esses hábitos em certas áreas. Esse tipo de comportamento é possível. Muitas vezes me vejo conversando com pessoas sobre religião, e elas simplesmente não querem nem ouvir uma nova versão do que se tem sobre esse assunto, e nós que estudamos isso sabemos que não existe uma verdade absoluta nesse assunto, mas determinadas pessoas simplesmente se negam a repensar seus conceitos e raciocinar sobre novas formas. Esse caso seria correto dizer que se tem uma mente aberta, quando se esta aberto a todo o conhecimento e todas as formas de comprova-los?

    Responder

    1. Pois é Carlos eu acho que você mesmo chegou a resposta. A gente evita ser assim mantendo a mente aberta e também o ouvido aberto. às vezes a gente nem ouve o que o outro está falando então é isso para você evitar cair em uma posição dogmática mantenha a sua mente aberta para novas ideias.

      Responder

  11. Ana, a cada vídeo que assisto aprendo mais sobre como meu cérebro influencia e impacta no meu dia a dia.

    Responder

  12. Continue com esses videos maravilhosos de dicas e nos ensinado. Meu professor diz, é preciso praticar praticar praticar para aprender, ou seja se você precisa de repetição treino para aprender uma determinada tarefa que queira aprender. Percebi quando tem algo novo para gente aprender, nosso cérebro e tipo meio que preguiçoso não sei é a pessoa mesmo (puts me confessei) quando há algo novo, nosso cérebro acha difícil não vai conseguir e as vezes acaba desistindo sem tentar.

    Responder

  13. Ana, Boa noite. Gosto de todos seus vídeos, com exceção desse. O fato do raciocínio ser lento
    não quer dizer que nosso cérebro não foi feito para raciocinar. Pelo contrário, somos movidos por
    novos desafios. E pelos desafios, que nos motivamos. Uma pedra no interior de uma caverna pode
    levar muitos anos para se formar, mesmo assim, a natureza providencia. O raciocínio é a base, até mesmo, para
    criarmos hábitos. É como uma estrutura de uma casa, mesmo mais lenta, é necessária. Realmente não concordo.
    Mesmo lento, mesmo levando a falácias, é por meio dele que contruímos novos conhecimentos. Abração. Curto todos seus vídeos. Bjo grande

    Responder

    1. Breno, vc é sempre bem-vindo aqui mesmo que vc não concorda comigo.
      Eu continuo achado que o nosso cérebro possui outras prioridade de além de ficar pensando. Ele só pensa quando ele está em uma situação muito confortável.
      Enfim, vc tem todo o direito de discordar disso.

      Responder

      1. Olá Ana, ótimo post!
        Até mesmo por uma questão evolucionária, o Ser humano é o mesmo organismo por volta de 200 mil anos. Tendo isso em mente, hoje o Ser humano está numa posição muito confortável, com fontes inesgotável de comida, sem que precisemos sair para caçar, logo economizamos muita energia e podemos canalizá-la em necessidades que tem menos prioridade para o corpo, como pensar.

        Se pensarmos na rotina do Ser humano de 100 mil anos atrás, onde era basicamente caçar ou cuidar da prole, não havia espaço para o raciocínio.

        Abraços!

        Responder

  14. Ana, muito interessante. E o mais interessante é que conseguimos criar os hábitos e com isto nos motivar a aprender mais.

    Responder

  15. Ana, a minha maior dificuldade é a minha concentração.
    Tem algum vídeo que possa me ajudar?

    Responder

  16. Ana querida, toda vez que o vídeo acaba e você diz, obrigada por ter assistido eu respondo, OBRIGADA VOCÊ, POR MAIS UMA PÉROLA. E eu que pensei que era muito burra, agora sei que o negócio é dificil pra todo mundo.

    Responder

  17. Muito interessante. Embora sejam rápidas em cálculos, as máquinas não consegue fazer as coisas simples que nós fazemos com a mesma perfeição.

    Responder

  18. Que a paz de Cristo esteja com vc e sua família.
    Interessante a palestra. Levou-me a raciocinar rsrs. Embora o expert alegue que o céretro tem outras funções
    que não a de pensar, entendo que o cérebro tem múltiplas funções, dentre elas a de pensar, e melhor, contêm o centro de nossas emoções, que os antigos chamavam de “coração”. Na realidade penso que este termo coração está contido em um processo cognitivo emocional, ou seja ele é pensado, raciocinado, e conduz nossas emoções. Mau comparando o cérebro seria o hardwar e as emoções o softwar. Quem bom que ouvi sua palestra. Sucesso dobrado.
    Forte abraço.
    Og

    Responder

  19. =)..pensar cansa mesmo…e aí está a explicação …bom para a gente não ficar preocupado se estamos ficando preguiçosos ou velhos…rsrsrsrs..muito bom..:)

    Responder

Deixe uma resposta para Carlos Henrique Müller Filho Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *