MA #7 – P&R – Dá para aprender só ouvindo?

Continuando a nossa série de Perguntas & Respostas, agora em novo formato – porque estou SEMPRE inventando moda! 😉

Sem tempo de assistir? Leia a transcrição!

Olá, tudo bem!

Aqui é Ana.

Hoje nos temos mais uma sessão de perguntas e respostas do Mais Aprendizagem.

A pergunta de hoje é:

– Ouvir leis ou qualquer outra coisa sem prestar atenção, funciona?

A resposta curta para essa pergunta é não, não funciona. A atenção é um fator fundamental para aprendizagem, principalmente para aprendizagem de conceitos abstratos.

A aprendizagem de conceitos abstratos é o que a gente estuda a maior parte do tempo, principalmente depois de um certo nível de conhecimento.

Então, você ficar ouvindo o texto da lei no “fundo” e ficar fazendo outra coisa não vai te ajudar a memorizar muito.

Por quê?

Porque a atenção é fundamental. Isto é comprovado pelo pessoal que pesquisa neurociência, psicologia educacional. Se você não foca naquilo que está tentando memorizar, você não consegue memorizar.

Algumas pessoas podem dizer:

-Ah! Mais você sugere que as pessoas estudem inglês no tempo “morto”, é verdade!!

De fato, inglês e outras coisas. Agora o que eu chamo de tempo morto é aquele tempo que você está fazendo aquilo no automático que é uma coisa que você não precisa pensar.

Por exemplo, você vai para a faculdade todos os dias, para o trabalho todo dia. Você já sabe o caminho. Você não precisa pensar como você vai chegar, que rua vai pegar, você simplesmente vai. Neste caso, você está com o seu cérebro liberado para prestar atenção no que você está ouvido.

Claro que este prestar atenção não é ótimo. Às vezes acontece alguma coisa do tipo, passa alguma coisa estranha na rua e você perde atenção por algum tempo.

Parar para decidir quando você vai atravessar ou não uma rua. Então esta atenção não é tão focada quanto no momento de estudo. Mais você consegue ir e voltar. Nos trechos que você voltar, você consegue memorizar as palavras que você está tentando memorizar naquele material de inglês ou outra língua.

Uma coisa que eu acredito, mas não vi nenhum estudo disso. Trata-se da ajuda de uma forma um pouco menos consciente, que vai de encontro com o inconsciente que é adquirir o ritmo da linguagem.

Toda a linguagem é falada em um ritmo. O ritmo que a gente fala português é diferente do ritmo que a gente fala inglês. Isto é uma das coisas mais difíceis do estrangeiro conseguir pegar.

Geralmente ele fala a língua estrangeiro em um ritmo que é esquisito para o nativo. Às vezes não é nem a pronúncia que incomoda, mas o ritmo que a pessoa dá as frases.

O ritmo está lá sendo tocado no seu ouvido. Isto, acredito eu, por minha experiência ajuda a você falar de forma correta daquela linguagem, no ritmo que é considerado normal para aquela linguagem.

Então este é o único caso em que eu tenho uma experiência que o ouvir de “fundo” imagino eu tenha me ajudado.

Quando estou prestando atenção, eu estou prestando atenção nas palavras, na forma como as frases vão se construindo.

Presto atenção no significado daquela palavra que aparece que é nova para mim e coisas deste tipo. Eu não estou prestando atenção no ritmo, mas quando está de fora, igual aquela música de “fundo”, que aos poucos você vai pegando a melodia.

A melodia da linguagem entra sim pelo inconsciente. No entanto, a informação abstrata que precisa ser lembrada em uma prova já passa a ser outra coisa. Assim, não confie neste tipo de método porque provavelmente ele não vai funcionar.

Então esta foi à resposta para a pergunta desta semana.

O que eu gostaria de saber agora é o que você achou desta coisa de você ouvir sem prestar atenção.

Você tem alguma experiência nisso?

Foi bom para você! De repente tem algum efeito psicológico que dá mais segurança porque você ouviu aquilo muitas vezes!

Ou você não consegue fazer!

Qual foi a sua experiência neste aspecto de ouvir coisas para tentar aprender melhor?

Em que assunto você conseguiu ou em que assunto você não conseguiu?

Deixe o seu comentário lá no blog.

Se você está assistindo este vídeo no You Tube, o link está embaixo do vídeo.

Não deixe de visitar a gente, porque tem muito mais vídeo-aulas interessantes por lá, Tá ok!

Muito obrigado por ter assistido e até a próxima!

42 Comentários


  1. Oi Xará, tudo bem? 🙂 (Eu adoro esse teu cuidado nos vídeos, por isso o reproduzo na escrita 😉 )

    Eu fico extremamente incomodada quando estou ouvindo algo sem prestar atenção.
    Como eu tenho dificuldade para administrar todas as informações sensoriais que chegam ao meu cérebro (como seu eu fizesse isso conscientemente rsrsrs, coitada de mim), aquilo que era uma aula e eu não estou dando atenção vira barulho.
    Antes eu achava que era boa em multitarefa, bastou ver sua aula sobre os três erros que atrapalham a concentração que passei a desligar tudo que faz barulho, inclusive aquela musiquinha de fundo gostosa rsrs

    Enfim, só ouvir comigo não rola. Em algumas aulas suas tenho tido a experiência de ler antes o seu texto e só depois ouvi/ver a aula. Para mim é melhor!

    Obrigada!!!

    Responder

  2. Tenho curiosidade referente ao aprendizado através da audição de algo que ser quer aprender quando se está dormindo.
    Acredito que neste momento o cérebro fique mais relaxado e isso possa fazer sentido, mas gostaria de saber a opinião do “MaisAprendizagem”.
    Muito obrigado

    Responder

    1. OI, Roberto, não conheço nenhuma pesquisa consistente neste sentido. Para aprender algo, precisamos estar focados e raciocinar sobre o que recebemos. Durante o sono, isso normalmente não acontece.

      Responder

  3. Acompanho seu blog a uma semana e já assisti “um cem números” de vídeo-aulas!
    Bem, considerando então que NÃO se aprende ouvindo o” texto de fundo”, já que a atenção é essencial, é possível concluir que estudar com musica instrumental de fundo favorece a concentração/atenção? Pergunto por que comigo acontece exatamente assim, quando estudo com música instrumental ao fundo, tenho a impressão de que estou mais concentrado e atento. Acho que o cérebro dá um jeito de “desligar” esse “barulho”; o que favorece a atenção/concentração no que estou estudando/trabalhando. Talvez essa atenção/concentração, por outro lado, não implique necessariamente memorização, não sei, mas sinceramente tenho a impressão de que potencializa o foco. Me ocorreu agora que eu devo ter descoberto a “América”: “música de fundo favorece a concentração/atenção/foco, mas a NÃO a memorização”?

    Responder

    1. Deocleciano, a multitarefa não costuma ser uma boa.
      Um abraço, Marcelo.
      Gerente de relacionamento.

      Responder

  4. Eu estou estudando para concurso, tenho um processo de estudo que esta funcionando muito bem pra mim, fiz um merge de várias técnicas adaptando as para as minhas necessidades. Mesclo video aula, com leitura, mapas mentais e questões e finalmente audios, eu trabalho de 8 a 10 horas por dia, e aproveito esse tempo para ouvir os audios da aula que estudei na noite ainterior, são audios curtos de 20 a 30 minutos, que fico ouvindo o dia todo no trabalho sem prestar atenção, sem concentração, pra mim funciona muito bem para fixação da matéria, meu cérebro “decora” a matéria, chego a obter 100% de acerto nas questões. Mas acredito que só ouvir os audios não seja uma boa idéia, no meu caso que sou visual e posso ouvir uma música cem vezes sem aprender a letra, não funcionaria, mas aliado a outras técnicas tem se mostrado eficiente no meu caso. Lembrando que os audios nunca são de máterias novas, sempre ouço matérias que já vi no dia anterior. E estou aproveitando um tempo que estaria ouvindo música, só substitui as músicas pelas aulas.

    Responder

    1. Andréa, gostei muito da exposição que você nos traz do seu planejamento de estudo. Percebi também que a partir do post você traz determinadas reflexões sobre a questão de aprender só ouvindo. Desta forma, isso se propaga em você ao observar certas facilidades e certas limitações de algumas práticas de estudo. Legal foi que você acabou fazendo uma espécie de síntese, isso é muito bom!!
      Abraço, Ana.

      Responder

  5. Recentemente comprei um material de áudio para concursos, no qual há leis e matérias gravadas por locutores. O vendedor passou uma idéia de maximização do aprendizado quando ninguém está estudando, como na academia, no deslocamento para o trabalho, no banho, etc. Resultado: comprei o material usei por um mês e constatei que foi totalmente ineficiente para o meu aprendizado. Ao escutar as aulas na academia, tive náuseas e fiquei extremamente estressada, quase cheguei a cair da esteira. No trânsito, o material também aumentou o meu estresse e me rendeu uma enxaqueca. No banho, eu nem tentei, pois esse é um momento de relaxamento sagrado para mim. Então, constatei o que eu já sabia: minha atenção é bastante concentrada! Tenho facilidade para aprender, mas não consigo falar ao telefone e, ao mesmo tempo, redigir um e-mail. Não consigo, nem mesmo, prestar atenção em duas pessoas falando de coisas diferentes ao mesmo tempo. Ou eu foco em algo e me esqueço do resto ou me perco. Isso me prejudicou a tirar carteira de motorista, mas treinei até conseguir.

    Responder

    1. É isso mesmo Aline como você observou a multitarefa, qualquer que seja, degrada muito a aprendizagem.

      Responder

  6. Oi, Ana! Tudo bem?
    Eu refleti sobre o vídeo e vi que gostava de “passar a limpo” as matérias que tive aula,vendo tv ou ouvindo música. Percebi que não fixo nada e ainda tenho de estudar dobrado depois…pois não aprendi direito da 1a vez.

    Responder

  7. Boa tarde, tive contato com esse material recentemente e acredito que é uma ferramenta poderosa para melhorar a aprendizagem, estou explorando ainda, mas achei muito interessante.

    Responder

  8. Olá Ana,
    Só posso dizer uma coisa sobre esse e todos os seus outros vídeos: PARABÉNS.
    É tanto conhecimento novo, que é como se me tirasse a areia dos olhos. Tudo fica mais límpido.
    Já fiz essa pergunta em outro comentário e volto a repetir: Como aprender outro idioma com o uso de mapas mentais?

    Abç

    Responder

  9. Oi, Ana.

    Descobri ontem os seus vídeos e estou gostando muito, só que ainda não encontrei aqui no blog o post que você ensina o método para falar inglês fluentemente. Tenho muito interesse nisso, digitei http://www.maisapredizagem.com.br/ingles e aparece a mensagem “não encontrado”.
    É esse endereço mesmo que tenho que digitar?
    Aguardo seu contato.
    Atenciosamente,
    Jovita Maria

    Responder

    1. Tenho uma série de vídeos sobre meu método pessoal de aprender inglês, mas eles estão em fase de preparação, Jovita. Em breve, aparecem no site. 😉

      Responder

  10. Muito bom, seus vídeos são ótimos, me da animo, concordo com o que você disse no vídeo, não tem como de fato aprender sem estar concentrado, com foco e claro também tem que haver determinação, sempre que queremos realmente algo passamos a nos dedicar aquele determinado tipo de coisa, não tem como escutar um assunto e ao mesmo tempo estar fazendo uma tarefa que envolva o raciocínio, para que possamos aprender é necessário conseguir expandir nossos pensamentos, pois se ficarmos só dentro de um local fechado estudando um assunto sem pesquisar associações fica difícil entender, eu por exemplo me dou bem quando estou focado sempre que consigo entender um assunto, estudo sozinho e com meus colegas pra conseguir fixar a matéria, fica até divertido, agora se eu estiver escutando um assunto, mas não estiver inteiramente prestando atenção não tenho um bom aproveitamento, por sua vez ficarei decepcionado por não saber. Eu não sei muita coisa, sou jovem, com o tempo irei aprendendo preciso melhorar muito ainda, mas sei que um dia conseguirei o que eu quero, muito obrigado =D

    Responder

  11. Boa tarde Ana !!!

    Muito bom este post, porem fiquei com uma dúvida: O aprendizado ouvindo a matéria, tipo resumos, com atenção, por ex, sentado numa cadeira , concentrado e ouvindo, é eficaz?

    Desde já agradeço.

    Abraços.

    Responder

    1. Pouco movimento não ajuda muito, Renato. Por exemplo, se vc ouvir caminhando, o cérebro fica mais oxigenado e acaba aprendendo mais. O importante tb é manter a concentração. Normalmente, essa concentração não perdura muito, então é bom fazer intervalos.

      Responder

  12. Ana, o seu blog é maravilhoso!!!! Passo por isso constantemente, muitas das vezes estou em uma reunião e o assunto não tem tanta importância, é como se eu não estivesse ali. A minha maior dificuldade é conseguir a concentração, sou muito ansioso e isso acredito que muito me prejudica. Ao assistir seus vídeos aulas, está sendo muito bom pra mim e acredito que para qualquer pessoa que venha assistir, inclusive recomendo para todas as pessoas de qualquer nível de escolaridade. Obrigado mais uma vez pelo conteúdo de suas informações.

    Responder

  13. Para mim, quando escuto algo sem atenção, eu posso até entender ou levar algo do que foi dito, mas o fato de nao ter acompanhado o raciocício não me deixa segura sobre oq aprendi, ou seja, fico apenas com informações, tópicos soltos do que está interligado… isso pode me levar a esquecer rapidamente como também a falta de dominio dobre tal assunto me causar uma certa frustação em outros nos quais vou precisar dele… Obrigada Ana 🙂

    Responder

  14. Ana,

    Concordo com vc, escutar só funciona quando se trata de aprendizagem de idiomas. Já tentei por um bom tempo estudar escutando áudio livros de direito e não tive nenhum resultado significativo. Por outro lado, o estudo diário -ainda que seja pouco tempo de leitura – mas com revisões sistemáticas( mensais e quinzenais) e a técnica de mapas mentais é extremamente eficiente. Eu diria que quadriplica a sua capacidade cerebral a ponto das pessoas acharem que vc é gênio…kkkkkkkkkkk….

    Responder

    1. É por aí, Fabrício. NO fundo, todo mundo tem um geniozinho dentro de si esperando para ser descoberto! 😉

      Responder

  15. Ana adoro seu blog, parabéns!
    Eu tenho muita experiência em ouvir,na verdade para mim é a melhor forma de estudar.Quando precisei passar no exame da ordem, 7 anos depois de ter me formado e praticamente deixado tudo de lado , não sabia por onde começar…então comprei uns cds muito bacanas de um professor de direito , coloquei meu tenis, peguei meu mp3 e fui até a praça perto da minha casa caminhar e estudar. Passei no exame sem quase pegar livros, muito do que caiu eu tinha escutado e quando lia, vinha a minha mente. Na segunda etapa do exame assisitia os videos de uns professores, engraçado é que não conseguia me concentrar nos videos..precisava estar fazendo uma coisa física e ouvindo ao mesmo tempo, então faxinava minha casa enquanto ouvia no aparelho de som bem alto ( a vizinhança achava que eu era louca). O exame passou, mas ainda estudo dessa forma. Adoro audio livros, escuto sempre que posso. Acho que existe uma caracteristica em cada pessoa que a torna única ao aprender, mas como disseste em outros vídeos, a quantidade de amor e dedicação que colocamos naquilo que estudamos é o que determina nosso aprendizado. Beijo e parabéns por seu trabalho!

    Responder

    1. OI, Soraya,
      Obrigada! Também adoro aprender caminhado e ouvindo! 🙂
      você não está sozinha. Existem experimentos mostrando claramente que a atividade física potencializa o aprendizado. Pior é que as escolas ainda teimam em “amarrar” as crianças nas carteiras… 🙁
      Abraço.

      Responder

  16. Um exemplo, Ana: Gosto de estudar um dado assunto e resolvo fazer uma pós sobre o tema. Adoro as aulas, leio os textos etc. Só que tenho de entregar um trabalho final… Pronto, a procrastinação começa a falar mais alto!

    Responder

    1. ahahhaah, Joe, acho q temos algo em comum. Tb não gosto muido que me “mandem” fazer algo, a não ser que eu acredite piamente que aquilo é o que eu deveria estar fazendo para aprender. 😉
      Tente fazer do trabalho final algo seu, com o seu toque pessoal. Isso vai te dar uma sensação maior de controle e aumentar a sua motivação. 😉

      Responder

  17. Tenho muita curiosidade, vontade de aprender, gosto pelo conhecimento e pela ciência. Ocorre que sou motivado por um interesse espontâneo, ora num assunto, ora em outro. Nessas circunstâncias me concentro por bastante tempo e estudo o que me interessa, no meu ritmo, sem problemas. Contudo, se o meu empenho for avaliado, se eu tiver constrangido por um prazo ou por uma obrigação de cumprir tarefas específicas que eu não escolhi fico travado, desestimulado, apático, preguiçoso e dominado pela procrastinação. Você teria algo a dizer sobre isso? Como vencer a procrastinação nesses casos?

    Responder

    1. Pessoalmente, Joe, acho que vc é uma pessoa absolutamente normal!! 🙂
      A aprendizagem só acontece se houver uma motivação genuína. O resto é decoreba ou então se esvai pelo ralo…
      Que coisas são essas que vc é “obrigado” a estudar? Reflita sobre os reais motivos que te levam a se obrigar a fazê-las. 😉

      Responder

  18. Oi Ana:)
    Eu estive vendo alguns vídeos e percebi que a atenção é uma peça muito importante. Ocorre que quando leio eu perco muito facilmente a minha atenção. Já me falaram para fazer um resumo do que eu li, mas não adiantou. Primeiro porque quando vou começar a escrever vejo que não gravei muita coisa. Segundo porque após começar a escrever eu vou no automático e perco a atenção e vou no altomático. Paço a colar os conceitos do livro e fico completamente sem nenhuma concentração. Você poderia me dar alguma dica?
    Um grande abraço!

    Responder

    1. Oi, Marcos, posso sim.
      Esse “automático” é uma características de anotações lineares. Experimente fazer mapas mentais (esses diagramas que eu faço nas vídeo-aulas). Com eles, vc se obriga a raciocinar sobre o que vai escrever, como, onde. Aí não tem como entrar em modo automático. 😉
      Abraço

      Responder

  19. Isso significa que as tais técnicas em que se “ouve” algo enquanto se está dormindo são furadas?
    Você poderia falar algo sobre a ideia de que informações recebidas durante o sono podem ser memorizadas?

    Responder

    1. Não conheço nenhuma pesquisa séria sobre isso, Joe. Pelo que se sabe hoje de neurociência, é bem pouco provável que funcionem.

      Responder

  20. Concordo plenamente, quando tenho alguns afazeres domésticos coloco algum seriado ou jornal americano para ficar
    ouvindo e percebo que consigo entender boa parte do que esta sendo dito, agora quando se trata de um assunto mais complexo (linguagem de programação) ai não da, tenho que parar e dedicar minha atenção somente ao que esta sendo dito caso contrário depois de terminado a audição percebo que não retive quase anda do que foi dito.

    Responder

  21. Eu nunca consegui aprender só ouvindo. Para mim eram e são sempre necessários outros estímulos: visual (além das palavras escritas, figuras e animações) e o estimulo de escrever mesmo, não só o que eu estava ouvindo, mas algum parte de um texto de um livros. Assim eu conseguia fazer um resumo bem geral do conteúdo que estava estudando no momento. Este resumo para mim era mais como uma organização do conteúdo. Nem sempre eu consigo fazer um resumo a mão. Outra forma que eu gosto muito é escrever alguns tópicos.Além disso, acho sempre necessário e válido a discussão em grupo com os meus colegas de sala de aula, responder perguntas e respostas. Acho que assim se constrói o conhecimento de forma mais interessante. 😉

    Responder

    1. Na verdade o nosso sentido mais completo para aprendizagem é a visão, Gerliane. Nossa mente funciona em imagens, não em palavras ou sons. Quanto a resumir, organizar e discutir, vc está raciocinando sobre o tema, logo, aprende melhor. É isso mesmo! 😉
      Abraço

      Responder

  22. Mesmo q eu não esteja prestando atenção, focada, sempre me chama atenção algo q havia passado sem eu perceber a relevância (qdo ouço algo nesse tipo de caso: “horas mortas” como no serviço doméstico)

    Responder

    1. Sim, Regina, são aqueles momentos em que a gente “foca” por um segundinho ou dois. Aí sim, a gente acaba lembrando. Mas se não houver pelo menos esses minutos roubados de foco, não creio que haja muita utilidade em ouvir apenas como barulho de fundo. 😉

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *