Quatro motivos que impedem você de aprender tanto quanto gostaria

Por que será que tem gente que estuda, estuda e parece que nunca obtêm o resultado que gostaria? A resposta pode estar no método de aprendizagem, mas podemos ir um pouco mais fundo nisso…

A vídeo-aula abaixo mostra 4 razões para isso acontecer e ainda:

Se preferir, você pode ler também o artigo!

Métodos de Aprendizagem: você precisa conhecer!

Por que vc não aprende?

A primeira coisa que precisamos entender é que para se ter bons resultados em qualquer área da vida, é necessário ter métodos. Toda vez que você precisar fazer algo bem feito, precisa seguir um método que já tenha sido testado e comprovado. E na aprendizagem isso não é diferente.

E vários dos problemas que aparecem quando não conseguimos o resultado que queremos com nos nossos estudos tem justamente a ver com métodos (ou a falta deles).

O primeiro problema é justamente não conhecer nenhum método de estudo eficiente.

Isto é um problema quase sempre causado pela escola. A escola tradicional normalmente esta preocupada em ensinar o conteúdo, muito conteúdo. Apesar disso, surpreendentemente ela não ensina praticamente nenhum dos métodos necessários para absorver esse conteúdo da melhor maneira.

Por exemplo, você pode aprender vários métodos de memorização eficiente que você nunca viu na escola no meu Curso Memória Total, com 9 aulas AO VIVO e GRATUITAS. 

Na verdade, a escola não ensina como fazer uma leitura realmente efetiva, nem como separar o que é importante do que não é, ou como memorizar todas aquelas informações que ela tanto nos exige saber. Também não ensina o aluno como se organizar para estudar as várias matérias e muito menos como fazer anotações de um jeito que faça estudo render mais.

É como se tivéssemos que nascer sabendo como fazer tudo isso… 🙁

O resultado desta realidade escolar são muitas pessoas – às vezes com alto grau de instrução – na mais completa ignorância com relação aos métodos de estudo e aprendizagem.

Uma consequência mais grave…

Pra completar o quadro nada animador, o quase completo desconhecimento de métodos de estudo também gera uma ignorância acumulada com relação ao próprio conteúdo. Afinal, se a pessoa utiliza métodos ruins para aprender o conteúdo, ele acaba sendo mal aprendido. Assim, a maioria das pessoas não consegue se lembrar, e muito menos usar na sua vida, as coisas aprendidas na escola.

Vejamos alguns casos: quantas pessoas sabem realmente fazer uma conta dos juros embutidos em um parcelamento? Quantos de fato entendem as estatísticas apresentadas na TV? E quantos conseguem fazer uma análise crítica da situação atual com base em fatos históricos similares?

Ou seja, fica parecendo que todos aqueles anos de escola não serviram de muita coisa…

Com método e sem método: um exemplo concreto

Vejamos um exemplo mais concreto de como a falta de método afeta diretamente o resultado que se pretende obter:

Painel em Patchwork
Painel em Patchwork feito por mim – aprendizagem com método também nas horas vagas!

Um hobby que tenho é fazer patchwork (um trabalho artesanal com retalhos de tecido). Depois de passar um tempo aprendendo várias técnicas, hoje eu faço um patchwork bastante razoável. Pelo menos eu estou bem satisfeita com o patchwork como meu hobby e com as peças que obtenho como resultado. A foto ao lado é de uma das minhas peças. 🙂

Por outro lado, nunca aprendi a costurar roupas. Isso quer dizer que se eu tentar fazer uma roupa, mesmo que seja bem simples, o processo será extremamente lento e o resultado com certeza será muito ruim. A roupa não vai servir, não vai cair bem, nem ficar bonita… enfim, não vai dar certo… (acredite, eu já tentei fazer isso sem conhecer os métodos… rsss…)

Voltemos a aprendizagem: exatamente o mesmo fenômeno que acontece quando se estuda sem método. O processo fica lento e o resultado em termos de aprendizagem são muito fracos.

Agora vamos ver o que acontece com as pessoas que até já entraram em contato com algum método diferenciado de aprendizagem.

Só conhecer o método não basta para aprender bem

Quando a pessoa conhece os métodos e continua com resultados insatisfatórios, três coisas podem estar acontecendo com elas:

Elas não aplicam o método

Muitas vezes a pessoa descobre que existe um método de aprendizagem muito legal, mas por um motivo qualquer – descrença, falta de iniciativa ou preguiça mesmo – acaba não aplicando.

Por exemplo, eu expliquei muitas vezes, em vários lugares que para ter uma boa memorização, é necessário fazer pausas regulares entre momentos de estudo.

O nome disso é aprendizagem espaçadaExistem artigos científicos publicados sobre isso, e já falei dela em vários vídeos. Muitas pessoas assistem estes vídeos mas não aplicam o método. E continuam achando que tem memória fraca ou algo do tipo, quando na verdade estão sobrecarregando o cérebro com a falta de intervalos de descanso e impedindo a memorização adequada.

O Curso Memória Total tem uma aula inteira para você aprender como aplicar a aprendizagem espaçada nos seus estudos! Inscreva-se, é gratuito!

Agora vamos ao segundo motivo para um método de aprendizagem comprovado pela Ciência não funcionar para algumas pessoas.

Por que aquele método não funciona com você?

Elas seguem o método parcialmente

São aquelas pessoas que antes mesmo de tentar fazer uma receita nova ao pé da letra, já mudam os ingredientes por conta própria…

Um caso clássico que eu sempre encontro são aquelas pessoas que descobrem os mapas mentais.

O mapa mental é uma das ferramentas de anotação mais eficientes que existem para aprender. Se você tiver de se dedicar a aprender somente uma ferramenta de aprendizagem, aprenda mapas mentais.

No entanto, para que os mapas mentais ajudem você a aprender de forma mais eficiente, é preciso seguir alguns princípios:

  • Eles devem ser feitos a mão
  • Precisam ser coloridos
  • Devem conter desenhos
  • Devem ser compostos somente com palavras-chave (sem frases).

Pois bem, existem pessoas que pegam a ideia geral dos mapas mentais e começam a fazer os seus mapas sem aplicar estes princípios essenciais: fazem mapas no computador, só com uma cor, tem preguiça de acrescentar desenhos e para completar a “tragédia”, escrevem frases e mais frases nos seus mapas.

E o que normalmente acontece com essas pessoas?

Bem, se você usa um método “mais ou menos”, obterá resultados “mais ou menos” também. Aí a pessoa acaba concluindo, errada e apressadamente, que mapas mentais não servem para ela…

Ou seja, quando você está começando a aprender um método de aprendizagem, você precisa seguir este método à risca, até ter certeza que entendeu os princípios dele para conseguir extrair o máximo que ele pode lhe oferecer.

No caso dos mapas mentais, os princípios acima foram estudados por muitos anos, e todos tem uma razão de ser bem fundamentada. Se você não os usa todos, não conseguirá avaliar corretamente se mapas mentais funcionam ou não na sua aprendizagem. 😉

Agora vamos ver o que pode dar de errado com pessoas que tentam seguir o método completo:

Elas desistem cedo demais

Nesta categoria estão aquelas pessoas ansiosas, imediatistas, que fazem um único mapa mental, esbarram nas dificuldades iniciais que são normais em todo início, e já chegam a conclusão prematura de que a ferramenta não funciona.

Agora imagine que está aprendendo a dirigir: as primeiras vezes que entramos em carro para dirigir normalmente são um desastre total, certo? E isso é normal, pois a gente nunca fez aquilo, está aprendendo e vai passar sufoco mesmo! Mas apesar de todas as dificuldades iniciais, a grande maioria da população consegue se tornar motoristas no mínimo razoáveis.

Imagine se toda esta gente desistisse depois da primeira aula prática na autoescola? :O

O mesmo vale para aprender um método de aprendizagem: você precisa de persistência para ultrapassar as dificuldades iniciais, para só então tirar alguma conclusão confiável sobre aquele método.

Em que grupo você está?

Será que você se viu cometendo algum destes erros? Qualquer que seja o seu grupo, tenho uma dica específica para você:

Se está no grupo das pessoas que nem sabia que existem métodos diferenciados de aprendizagem, sugiro que você pesquise e descubra algum método que possa melhorar a sua eficiência.

Uma boa dica é dar uma passeada pelos outros vídeos e artigos aqui do blog. 😉

Ou você já pode começar em alto nível, fazendo seu cadastro no Curso Memória Total

Caso já tenha visto alguns métodos e não os aplica nos seus estudos, sugiro que vença a resistência e se comprometa a experimentar um método diferente pelo menos durante uma ou duas semanas.

Um único método de cada vez – se for bem aplicado – já pode fazer uma diferença enorme na sua aprendizagem.

E se você já tentou seguir algum método, mas fez isso “mais ou menos”, sugiro que volte atrás, siga cada uma das etapas do método escolhido, sem mudar nada antes de experimentar. Experimente fazer isso por uns 15-30 dias e veja os seus resultados começarem a mudar.

Por fim, se você é do tipo que começou algumas coisas diferentes mas desistiu no meio do caminho, pegue uma delas de volta – aquela que você acha a mais promissora – e em seguida estabeleça um prazo mínimo para aplicar o método. Sem parar para pensar em nada antes deste prazo!

Provavelmente ao final do prazo você vai começar a perceber os resultados e ter mais motivação para continuar.

Agora fiquei curiosa… em qual grupo será que você se encaixa?

Faça o seguinte: role a tela para baixo e deixe o seu comentário! Conte para mim em qual grupo está e qual técnica irá começar a aplicar daqui por diante! 😉

88 Comentários


  1. Eu estou no grupo de pessoas que tem conhecimento das técnicas mais não usa por preguiça, acho que esse é o pior grupo kkk

    Responder

  2. Pertencente ao grupo q desisto rápido.. Faço não vejo resultado imediato já desisto

    Responder

  3. Olá, creio que sou do grupo de quem desiste muito cedo, eu já tentei a alta explicação tinha começado a usar no meu estudo mas parecia que eu não lembrava de nada, e então eu achava que não funcionava, nunca dediquei tanto tempo em um método como deveria, e uma pergunta além da associação que é a base de tudo, devemos ter outro método ?

    Responder

  4. Estou estudando pela internet em sites pagos. Sinto que aprendo e assimilo o conteúdo de forma duradoura mas sinto cansaço depois de um dia estudando. Chego no final do dia e acho que posso desmaiar de cansaço mental e físico. Muitas horas estudando as pausas são imprescindíveis. Para minha saúde mental. Como muita porcariada super-calórica é uma necessidade. Mas também como alimentos saudáveis em períodos regulares.
    A cabeça doí é o corpo pedindo descanso. Obrigado Maurício

    Responder

  5. Bom dia, faço um curso técnico, e eu amo essa profissão, vou as aulas, fico quieta prestando atenção na aula, participo da msm, mas quando saio da sala, parece que não tive aula, estou em semana de prova e não consigo guardar td que é ensinado e estou tendo problemas com isso, já chegaram a falar que posso estar com começo Alzheimer, não estou conseguindo nem guardar nada na memória recente, mas só tenho 36 anos, podem me ajudar. Obg

    Responder

    1. Olá, Sandra. Se você realmente acredita que tem um problema que está afetando todas as áreas da sua vida e não somente os estudos, o melhor seria procurar por um médico e ver se tem algum diagnóstico. Caso contrário, se o problema é somente nos estudos, a forma que você tem estudado é que não está correta. Somente prestar atenção na aula não seria o mais indicado, é interessante que você faça um mapa mental ou se não tiver tanta prática que faça as suas anotações em forma de palavras chave. Além disso é necessário que se faça uma revisão antes de completar 24h, seria o caso de então fazer o mapa mental com base nas suas anotações. As revisões devem ser mantidas, além de fazer exercícios para aplicar o que aprendeu.

      Responder

  6. oi tudo bem, nao conheço nenhum metodo e tenho muita dificuldade pra aprender.

    Responder

  7. Olá, meu nome é Solange.

    Eu me encaixo no quadro de pessoas que conhece alguns métodos, leio, vejo vídeo, porém não consigo seguir a risca. As vezes creio que me falta motivação.

    E aí Ana o que devo fazer!?

    Responder

  8. Sei que tem métodos para estudar, mais nunca parei para estudar, até mesmo não me dei conta dessas ferramentas. Vou tentar iniciando com as suas dicas.
    Muito obrigado.

    Responder

  9. Oi, boa tarde!
    Eu adorei se vídeo e descobri algo que eu já suspeitava. Eu uso o métodos de aprendizagem e o mapa, mas eu uso apenas uma cor de caneta e escrevo muitoooo. Ah…sim, lembrei de uma vez que me esforcei e escrevi menos, usei também outra cor de caneta, não apenas uma cor. sabe, fui muito bem na prova e aprendi mesmo o conteúdo!!
    Obrigada viu!! Agora vou assistir os vídeos mais assiduamente, pois que ajudar meu filhote, meu irmão, meu pai, meu marido, minha mãe e eu mesma claro!!! 🙂 🙂 🙂

    Responder

    1. Que legal, Lucieni! Já pensou se vc usar umas 5 cores e fizer alguns desenhos? 😉
      É isso aí, todo mundo precisa aprender a aprender!
      Abraço

      Responder

  10. Oi Ana gosto muito das suas postagens depois que tive contato com seu blog até comecei a tentar fazer os mapas mentais mas cometi os erros que você falou no vídeo mapas com lápis sem o colorido,sem desenhos ai abandonei o método.Eu estou no grupo que sabe um pouco do método mais n]ão venho aplicando e agora o que fazer?Obrigado.

    Responder

    1. Oi, Lucas, tem vários vídeos sobre mapas mentais aqui no blog e assista alguns para entender os mapas um pouco mais. Como eu disse no vídeo, pegue só uma técnica de cada vez e persista por algum tempo, mesmo que pareça não estar dando resultados. 😉

      Responder

  11. Sou desses que ta aplicando o método mais ou menos, mas estou determinado a por em prática mais frequentemente. Por sinal, qual você acha a melhor forma de fazer os mapas mentais em sala de aula? Fazer enquanto a aula se segue ou só anotar as palavras-chave e em casa construir os mapas mentais?

    Abraço e parabéns pelo trabalho,

    Responder

    1. OI, Lucas, a forma mais eficiente é fazer os mapas diretamente em aula, porque poupa MUITO tempo. É interessante antes disso treinar em casa, primeiro com textos, depois com áudios, depois vídeos, até finalmente vc ter velocidade suficiente para fazer os mapas durante uma aula com tranquilidade.

      Responder

  12. Olá! Estou no grupo dos que desistiram.Mas irei voltar com osb mapas mentais e com as pausas pois no início foram basta MT s produtivas, mas por algum motivo, acabeificanro desestimulada.

    Responder

  13. Oi Ana,
    Gostei muito do vídeo, aliás, adoro receber teus emails!
    Bem, sou do grupo que conhece a técnica e aplica mais ou menos. Tenho as ferramentas, a motivação e o método mas vejo que tem matérias que não aprendo. Eu estudo e estudo mas tem disciplinas que não consigo fazer associações para lembrar depois e acabo caindo na curva do esquecimento…
    Estou usando seus métodos para aplicar nos vestibulares que irei fazer esse ano.
    Muito obrigada pela ajuda!!

    Responder

    1. Emillie, obrigada a vc por compartilhar as suas impressões com a gente.
      Abs, Marcelo.

      Responder

  14. Olá Ana Lopes. Eu pertenço ao grupo que conhece o método e desiste de aplicá-lo. Aprendi sobre os mapas mentais através do seu blog, e é ótima uma ferramenta para aprendizagem. Com o passar do tempo deixei de aplicar o método em meus estudos. Agora com as dicas que você falou no vídeo, tentar por uma semana utilizar os mapas mentais na minha rotina de estudos.
    Abraços!

    Responder

  15. Olá, Ana.
    Estou no grupo que conhece e aplica. Acompanho seu canal há um tempo e sou uma apaixonada pelos mapas mentais. Eles mudaram minha vida. Agora, só não concordo com a ideia de escrevê-los à mão. Eu uso o imindmap e tem funcionado. Estou me policiando apenas pra não cair no erro de escrever além do necessário.
    Obrigada por compartilhar tanta informação bacana. Seu canal e o blog tem me ajudado muito nos estudos pra concursos.
    Abraços.

    Responder

    1. Oi, Ana, que legal, somos duas apaixonadas então! (será mal do nome? rsss…)
      A questão da escrita à mão tem a ver com algumas pesquisas que comparam a atividade manuscrita com a atividade feita no computador. A manuscrita sempre ganha no quesito memorização, mas é importante lembrar que estes estudos são estatísticos, e os resultados podem não valer para todo mundo. No final das contas, fazer mapas mentais no iMindMap já é muito eficiente, bem mais que qualquer forma de anotação tradicional. Parabéns por fazer parte deste grupo tão seleto!!
      Ah, fico muito feliz de estar ajudando vc na sua trajetória! 🙂
      Abraços!

      Responder

  16. gostei do vídeo Ana . Estou no grupo dos q já tentaram métodos de estudos mas não deram continuidade . Já tentei o método dos flash cards , resumos e auto- explicação mas achei q estava perdendo tempo. O método dos mapas mentais não sei como fazer mas gostaria de seguir seu conselho e tentar por 1 semana a 15 dias os métodos tradicionais

    Responder

  17. Eu conheço a técnica dos mapas mentais,porém eu tenho um sério problema em fazer com que esse objetivo entre em ação.
    Eu gostaria de sugerir um tema que muitos estudantes têm dificuldade , referente a como administrar os estudos e fazer um planejamento sendo que não fique tão cansativo.Obrigada!

    Responder

  18. quero aprender usar esse método já, estou estudando sem nenhum rendimento, faço leitura e respondo os questionário , no máximo um ponto. Muito mal, desestimulante, quero por favor.

    Responder

  19. Sei do mapa mental, mas não aplico, pois acontece comigo o que o vídeo esclarece, não aprendi usar as formas de aprendizagem, memorizar, concentração, palavras chave e tudo mais. Conheço as formas de como aplicar, entender através da gramatica, mas não sei desenvolver. Os meus resultados são muito baixo. Quero melhorar com a sua dica sim, agradeço muito por esta abençoada ideia.
    Abraços

    Responder

  20. Ana, meu problema acho que é falta de criatividade total. Estou estudando para concursos e tenho tentado fazer mapas mentais, mas, sofro. Dependendo do assunto não me ocorre nenhum desenho que poderia ilustrar o assunto. Sinto um travamento mesmo. Eu gosto de usar canetinhas e papel e vou rabiscando ali. Às vezes sai algo bom, mas, na maioria das vezes não. Quando consigo fazer algum, ele funciona, sinto que realmente memorizo melhor. Seria possível vc fazer uma legenda básica de ilustrações para mapas mentais, principalmente para iniciantes? Obrigada!! Estou sempre te acompanhando!!

    Responder

    1. Oi, Kelly, a criatividade é muito podada na escola, e na fase adulta a gente acaba achando que não é criativo. Mas ela é algo que se aprende (ou reaprende!). Não existe muito uma legenda, os melhores desenhos são aqueles que fazem sentido para você. Uma sugestão é procurar a palavra que vc quer ilustrar no google imagens para se inspirar. 😉
      Continue acompanhando a gente! 🙂

      Responder

    1. Escolha uma bem simples e comece por ela Vanda. Por exemplo, vc pode começar a controlar os tempos de estudo e os intervalos. Isso não requer grandes mudanças, é só usar o despertador do celular, e já faz bastante diferença. 😉

      Responder

  21. Desisto cedo demais a ansiedade me atrapalha muito !!!!!

    Responder

  22. Eu tento e desisto na primeira deficuldade.
    Usei mapas mentais

    Responder

    1. Então precisa exercitar a resistência, Maria Helena! Veja o vídeo sobre microhábitos que eu já sugeri para a Simone e a Ádila. 😉

      Responder

  23. Olá Ana,
    sou do grupo que segue o método (parcialmente), uso o software CMap com o qual me adapto muito bem. Já assisti o teu vídeo sobre o uso de software de Mapas mentais, mas ainda não investi tempo para ganhar destreza nesta nova forma de construir os mapas.
    Quando vou aprender um novo recurso, separo um tempo para não ficar no +/-
    Obrigado pela ajuda, parabéns pelo vídeo que já encaminhei para um aluno.

    Responder

    1. Que legal, Rubens. O CMap é para mapas conceituais, que são diferentes dos mapas mentais. Pessoalmente, acho os mapas conceituais mais confusos, principalmente porque normalmente as pessoas escrevem demais neles. Uma grande sacada para aprender métodos de estudo novos é vc já ir usando desde cedo nos materiais que vc tem que estudar de qualquer jeito. Quando vc se der conta, já está usando o método novo sem perceber. 😉

      Responder

  24. Meu grupo é o terceiro, gostei dos mapas mentais mas não consigo fazer como sugerido.
    Não pude fazer o curso, não estou com condições de pagar.

    Responder

    1. Oi, Alberto, dependendo de em que ponto vc tiver dificuldade, vc tem uma estratégia diferente para trabalhar. Se for nas palavras-chave, vc pode trabalhar com a técnica da eliminação: quando um ramo tiver mais que uma palavra-chave, vá eliminando palavras até só sobrar uma. Se forem os desenhos, use o google imagens para se inspirar. 😉

      Responder

  25. Vídeo bastante esclarecedor, genial!
    Eu me vejo no grupo daqueles que até conhecem alguns métodos, mas não aplica por receio de perder tempo ou mesmo por preguiça. *^_^*

    Responder

    1. Preguiça não vale, Marco! Com um método de baixa eficiência, vc acaba trabalhando muito mais do que com um método eficiente… Já ouviu o ditado de que “o preguiçoso trabalha duas vezes?” 😉

      Responder

      1. hahahaha… to tomando vergonha na cara, maestra. To ficando fera e m leitura dinâmica e já to ate arriscando alguns mapas mentais \o/.

        Responder

  26. Meu grande problema é a fixação do que aprendo. As oportunidades de aprendizado estão por toda parte. Uma floresta é uma biblioteca para o biólogo.
    Fixar o conhecimento para poder usa-lo mais tarde. Internaliza-lo na mente e no corpo. O corpo também é um reflexo do que fazemos e pensamos. O estudo junto com o trabalho. Estudo para trabalhar melhor e render mais no trabalho. Descanso é uma pausa para refazer energias mentais e físicas e faz parte do processo de aprendizagem. Dosar as atividades e passar adiante os conhecimentos para as outras pessoas. O progresso é uma lei natural e todos estamos fadados a ela.

    Responder

  27. Eu já assisti mas nâo aplico nada, e os meus resultados nâo sâo bons, por favor me ajude a melhorar as minhas nota!!

    Responder

  28. Me enquadro no grupo de pessoas que conhecem o método mas não consegue aplicar. Parece fácil sabermos que nossas dificuldades são transponiveis e podemos tranpo-las, mas não é, pois ser estudante após os 50 anos, após um AVCI que durou 10 anos deixando marcas, uma familia que necessita de atendimento difernciado para cada um, pois cada um faz uma atividade diferente, e não podemos negar o auxilio, e esse auxilio nos é solicitado sempre quando estamos aplicando o método que conhecemos. Saber que ao interromper o que estamos fazendo vai nos fazer ter que recomeçar tudo outa vez, pois nada é fácil quando se possui filhos e esposa dependentes de nossa capacidade de resolver problemas, sejam eles intelectuais ou braçais. Mas não desisto, e aos poucos vou aprendendo, mas minha capacidade de guardar o que aprendo é muito boa, mas minha comunicaçã é somente através da escrita digitada, pois não consigo escrever manualmente. Quando penso em fazer mapas mentais, que me ajudariam, tenho contra mim a impossibilidade da escrita e preciso recorrer ao computador, que é demorado, que quando estou no meio do meu racicinio sou chamado a cumprir outro papel que não é o de estudante.
    Para finalizar, gostaria de dizer que ja consegui me formar em Teologia, agora faço um curso de pós graduação na mesma area, mas tem muito material para ler, e normalmente não consigo guardar o que leio. Há algum caminho possivel para mim?
    Sou um admirador do seu trabalho.
    Fique com Deus e que Ele ilumine seu caminho e continue ajudando a quem necessita.
    Atenciosamente.
    Carlos Henrique Müller Filho

    Responder

    1. Oi, Carlos, realmente estudar com uma família cheia de demandas (naturais) em volta não é fácil. Tem que estabelecer um tempo que seja só seu, mesmo que seja pequeno, mas que as pessoas respeitem. De todo modo, parece que vc está conseguindo caminhar, mesmo com as dificuldades, parabéns! 🙂
      O problema de memorizar pode passar pelos mapas mentais ou então por técnicas específicas de memorização, como o Palácio da Memória, por exemplo (veja aqui:http://www.maisaprendizagem.com.br/palacio-da-memoria/)
      Se vc não pode escrever manualmente, pode usar um software para os mapas, só tomando o cuidado de não ficar “embelezando” muito, pq é isso que mais demora. Neste caso, vc pode tb reduzir os desenhos a um mínimo essencial. Abraço.

      Responder

  29. Muito bom. Sou do grupo sem métodos. Vou tentar aplicar o método de mapas cerebrais 😉
    Em 30 dia aviso como está sendo.

    Responder

  30. Olá bom dia,bom eu creio que estou no grupo que não tenho tanta paciência e tambem medo erra de mais rs

    Responder

  31. Estudei muito durante o período em que fazia os cursos Ginasial, Científico e Universitário.
    Foram muitas e muitas horas dedicadas aos livros, mas, com pouco resultado, pois, não conhecia nenhuma técnica de aprendizagem para que pudesse tirar melhores proveitos da muitas horas dedicadas aos estudos.
    Após conhecer algumas técnicas de estudo, puder entender o quanto é importante aprender a aprender.
    Hoje, sempre digo aos meus alunos: Se eu tivesse conhecimento de algumas técnicas de estudo, eu não teria vergonha de dizer que tinha estudado tanto, pois, deveria ter aprendido muito, mas, sem saber aprender, aprendi tão pouco.
    Dr. Lima/Engenheiro Agrônomo/Cruz-CE.

    Responder

    1. É exatamente assim, Antonio. As pessoas gastam muito esforço, energia e até dinheiro, e o aproveitamento é muito ruim, justamente pela falta de métodos. Mas nunca é tarde para começar! Que bom que vc está tendo acesso agora a novas possibilidades! 🙂

      Responder

  32. Eu estou na mesma situação de Joaquim, pois conheço o método pomodoro e dos mapas mentais e não consigo me concentrar em nenhum deles. Fico com a sensação de que estou tendo mais trabalho e não estou aprendendo nada.

    Parabéns Ana Lopes por sua vontade de ensinar.

    Responder

  33. Gostei Ana da sacada, agora é só colocar em prática e buscar os resultados.

    Responder

  34. Olá Ana, Parabéns pelo seu blog e vídeos. Eu me enquadro na categoria que conhece o método mais nunca aplicou. Percebo que a minha aprendizagem é lenta, e também falta organização dos conteúdos de estudo. Muito obrigada por compartilhar conhecimentos tão valiosos conosco. Vou estudar o método de mapas mentais e começar aplicar. abraços.

    Responder

    1. Maravilha, Cândida, depois volte para contar como está indo! 🙂

      Responder

  35. Parabéns pela ótima videoaula!
    Me enquadro naqueles que conhecem o método mas não aplicam corretamente. Gosto de usar mapas mentais, mas tenho dificuldades em desenhar, então acabo só fazendo apenas os ramos, etc.
    Obrigado por partilhar mais um conteúdo de altíssima qualidade.
    Um abração Ana!

    Responder

    1. Joaquim, nós que ficamos satisfeitos pela sua presença neste canal.
      Abs, Marcelo.

      Responder

  36. Olá Ana,estou no grupo dos mais ou menos,acho que é a ansiedade para obter resultados,pois devo pisar no freio e fazer as coisa do modo certo,forte abraço,saúde e paz.

    Responder

  37. Ana querida =)

    Eu sou do grupo que desiste cedo =/ já tentei fazer mapa mental, mas tenho uma enorme dificuldade de resumir assuntos e achar palavras chaves. Você tem alguma dica para fazer mapa mental de um artigo cientifico? Sei que você é uma doutora, sou aluna do doutorado, gostaria de achar uma maneira prática de deixar a leitura de artigos sempre a mão, sem esquecer das principais informações, também dar conta da leitura de um grande volume de artigos que sempre tem para ler.

    Grande Abraço
    Admiro muito seu trabalho! Parabéns

    Responder

  38. Olá Ana !! Tenho acompanhado suas postagens e através delas tive acesso a alguns métodos de aprendizagem,porém nao tenho a persistência necessária e suficiente para aplicá-los. Quero aprender inglês ,me matriculei num curso on-line mas nao me dedico o suficiente .
    Vou tentar usar os mapas mentais e me testar rsrsr , obrigada por suas orientacões.

    Responder

    1. Isso mesmo Clair…o segredo é tentar e não desistir nas primeiras dificuldades…pois ao fazer isto existe uma grande chance de você construir um outro olhar, sobre a questão da dedicação em si.
      Abs, Marcelo.

      Responder

  39. Eu cheguei a escrever mini textos nos meus mapas mentais, foi um desastre, nunca mais os consultei, e na época produzi bastante, mas não revisei nenhum, sou curiosíssimo, mas muito preguiçoso.

    Responder

    1. Reginaldo, não desista…continue tentando que vc ultrapassará a questão da procrastinação.
      Abs, Marcelo.

      Responder

  40. Muito bom…

    Sou do grupo que começa e não segue adiante por causa das primeiras dificuldades.

    Obrigado

    Responder

    1. Carlos, faça um combinado com vc mesmo no intuito de atravessar as primeiras dificuldades que aparecerem…
      Ao ultrapassar esta fase surgirá em você um outro modo de lidar com as dificuldades…um outro hábito brotará…
      Tente!!
      Abs, Marcelo.

      Responder

  41. Olá!
    Gostei e me interessei por iniciar um aprendizado relacionado ao método mapas mentais.
    Obrigada pelas informações
    Abraço

    Responder

  42. Parabéns! Muito bom. Me vi no último, só muito ansiosa e tento , mas na maior ia das vezes desito no meio.
    Excelente trabalho.

    Responder

  43. Muito bom o video e a reflexão. Não sei se ainda é assim nas escolas mas eu tendo saído a alguns poucos anos do ensino médio, e estando agora na vida academica, nunca fui ensinado na escola e nem na universidade, como estudar corretamente. Na escola e começo da faculdade sempre estudei em véspera de prova e me iludia com bons resultados a curto prazo que esse método trazia. O problema é que passa alguns meses e voce percebe que não aprendeu nada, e tempo depois quando tu precisa do que deveria ter aprendido, tem que correr atras de novo. O método dos mapas mentais é genial, mas ao meu ver só funciona aliado a uma técnica de revisão períodica dos mapas, até que chega o dia em que não precisa mais revisar( voce já incorporou aquele conhecimento). A questão é que geralmente se ensina mapas mentais voltados para área das ciências humanas e sociais, onde fica muito mais fácil associar as coisas com desenhos. Eu sendo das ciências exatas( engenharia elétrica) ainda tenho certa dificulade em fazer esses mapas, afinal quase tudo se resume em dedução de equações matemáticas que partem das equações básicas ditas “definições”, assim faço meus mapas ainda da forma “errada” com algumas frases, muitas formulas, e poucos ou nenhum desenho, mas mesmo assim tenho notado que revisando esses mapas periodicamente os resultados são bons. O engraçado é que li um livro sobre mapas mentais de um autor brasileiro, formado engenheiro eletrecista, e não vi nenhum mapa mental voltado a essa área nos exemplos do livro dele… em fim, apenas minha humilde opinião… obrigado pelo video, abraço!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *