Como ser criativo e viver mais

Você pode se surpreender ao descobrir que criatividade não se limita apenas naquela prática de soltar ideias. Uma pessoa criativa é aquela que consegue encontrar soluções, que sejam inéditas, úteis,apropriadas, além de fazer tudo isso de maneira intencional.

A criatividade é uma habilidade

Como toda habilidade, a criatividade pode ser aprendida, principalmente por meio de muita prática deliberada. Mas, para conseguir criar soluções, não basta apenas praticar. É preciso uma base sólida de conhecimento. Pessoas criativas normalmente são aquelas que possuem um elevado grau de conhecimento, elas normalmente leem e estudam muito. Isso porque você só consegue criar, quando você tem matéria-prima para isso.   estudando

Mas, afinal, por que se tornar criativo?

No mundo de hoje, em que estamos abarrotados de novidades, a criatividade em saber usar informações de maneiras inovadoras, pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso na vida de uma pessoa. Já que, o mercado de trabalho, abre as portas para as pessoas que tem algo de diferente e inovador para acrescentar e, além disso, a criatividade também traz reconhecimento social.

Viva mais!

Estudos revelam que pessoas criativas vivem por mais tempo. Existem algumas hipóteses que explicam esse fenômeno. Uma delas é a de que as pessoas criativas costumam encarar os problemas de forma mais proativa. Elas procuram soluções ao invés de se martirizarem e acabam vivendo uma vida com menos stress.   Realizado

3 caminhos para trabalhar a criatividade

Observação: Imaginar que você está distante (tanto no espaço como no tempo) do problema te torna mais criativo. Isso porque a pressão da proximidade no tempo e no espaço inibe a criatividade. Atividades: Exercer funções que abalem seu raciocínio normal ajuda a ampliar a criatividade. Fazer uma pequena atividade que te tira da zona de conforto, aquece o seu cérebro para a geração de soluções mais criativas. Brainstorm: Criado para atividades de soluções criativas, o brainstorm é uma ótima maneira de se treinar a criatividade. A sugestão é que cada indivíduo de um grupo, individualmente e sem censura, escreva todas as ideias imagináveis em um papel. Em uma segunda etapa, faça uma seleção das suas melhores ideias e depois as exponha para o grupo. Gostou desse artigo? Não esqueça de comentar 😉 Até a próxima!

8 Comentários


  1. Oi Xará, tudo bem? 🙂
    Então, esse ano comecei uma nova faculdade, faculdade de Gestão Empresarial (completamente diferente da faculdade que tranquei, que era a de Fisioterapia). Na área administrativa nós somos obrigados a sermos criativos, tenho uma disciplina sobre criatividade, pessoas são pagas nas empresas para “simplesmente” serem criativas. Logo, na minha área ser criativo é primordial.

    Algo que me chamou atenção no vídeo é que o esquema é ter um jeito Pollyana de ser e saber jogar o Jogo do Contente 🙂
    Minha mãe me chama de Pollyana rs, então quanto a isso não tenho dificuldades, mas o que mais me complica é a necessidade de conhecimento amplo sobre as coisas. O sistema tradicional de ensino, minha antiga faculdade (essa que estou fazendo esse ano é Ead, por isso estou me desenvolvendo bem), minha família também não contribuíram para que eu pudesse ter uma bagagem cultural favorável para ser criativa.

    Mas o mais legal de tudo isso é que sempre tive dentro de mim esse desejo, de ter cultura, de saber mais sobre as coisas, de conhecer, e nem sabia que era o caminho para ser mais criativo, algo que eu também sempre quis ser e que na Fisioterapia eu sofria bastante, porque para bolar exercícios para os pacientes, pensar em soluções de prevenção, eu simplesmente travava… Foi bem traumatizante! rs

    Enfim, como esse ano as coisas mudaram, eu conheci antes de conhecer você a Bel Pesce, ela é uma jovem empreendedora brasileira que também tem contribuído muito para a modificação da nossa sociedade, focando no empreendedorismo, que a meu ver, nada mais é que ser autodidata em todos os campos da sua vida, inclusive profissional e empresarial. Ela trabalha com os sonhos das pessoas. Ela é incrível.
    E o que a Bel fala no seu livro (A Menina do Vale) é a importância de se abrir para qualquer tido de oportunidade, ficar atento, observar sempre ao redor, que onde você menos imagina pode estar a ideia tão inovadora que você busca quando você quer ser um empreendedor. E eu assumi isso para mim, sem imaginar que isso me levaria a ser uma pessoa criativa em outros campos da minha vida… (Acho que esse texto vai ficar gigante rsrs).

    Estou adorando esse cruzamento de informações, até porque vocês duas são pessoas dispostas a mudar uma situação um tanto quanto crítica que a sociedade brasileira vem enfrentando, isso faz de vocês pessoas mais preocupadas com os outros do que com o benefício próprio (a Bel fala muito isso, que quando a ação é gratuita ela dá muitos mais frutos do que quando ela é cobrada).

    E outra coisa bem legal é que toda essa modificação na forma de estudar, na forma de ver o mundo, ao buscar coisas, atividades que realmente te agradam para serem motivadores ao longo dessas modificações que serão por toda a vida, há a necessidade de resgatar informações da infância, porque lá no passado era quando fazíamos coisas sem nos preocuparmos em agradar a sociedade ou conseguir dinheiro, lá estão as verdadeiras coisas que fazíamos porque gostávamos unicamente. E esse resgate eu pensei que fosse ser muito difícil, não que eu seja tão velha, rsrs, mas é que os fatos traumáticos da vida fazem você sentir que tem uma buraco intransponível na sua história. E não! Muitas informações da minha infância estão vindo a tona e isso é muito legal.
    Informações boas e ruins, mas as ruins também ajudam, porque tudo isso exige um autoconhecimento muito profundo, que tais informações ruins podem ajudar pelo menos a desvendar as causas e você enfrentar esse autoconhecimento com mais maturidade.
    Hoje por exemplo lembrei que eu adorava a cor “verde-água” porque vi um fusca (carro que eu também adoro) dessa cor. Foi uma sensação muito boa!!!

    Enfim, já me prolonguei muito rs, mas é que tudo isso está muito divertido…
    Vou continuar vendo os vídeos aqui 🙂

    Obrigada mais uma vez, Ana 😉

    Responder

    1. Opa, Ana, conheço a Bel, já estive com ela e tinha até uma foto perdida no meu iPad que se espatifou no chão… rsss… o caminho é esse mesmo. Autoconhecimento, aprendizagem o tempo todo e enfrentar o mundo lá fora com coragem. 🙂

      Responder

  2. Parabéns pelas aulas/dicas/conselhos. Eu assisto sempre que posso.

    Um forte abraço e sucesso!

    Responder

  3. Maravilha!!!!!! Brainstorm que palavra bonita! Bem Ana, respondendo sua pergunta, eu sempre procurei ser criativo! Pelo menos diferente, ajustar o novo ao meu jeito de conduzir, o de fazer diferente do que os ‘outro’, fariam! Personalizar o feito por mim, usando a criatividade como caminho ideal! Mas a Criatividade colocada no contexto parece ser bem mais dinâmica, do que eu estou acostumado! As diferenças, a auto-estima, o viver mais parecem ter um ‘que’ a mais para exercer a criatividade, no dia-a-dia! 3 tópicos (Observar, Atividade ‘Abalar o raciocínio’, e o “Brainstorm”) Chamou minha atenção! Mais uma vez! Obrigaduuuuuuu! Iris

    Responder

    1. Novamente ficamos grato pela sua participação…
      Abraço, Marcelo.

      Responder

  4. Quando me deparo com uma situação em que cabe a mim dar uma solução eu entro em pânico, minha criatividade foge.

    Responder

    1. Imagino que este post chegou na hora certa, né!
      A ideia seria refletir um pouco no intuito de amenizar a questão que você traz aqui hoje através do seu relato.
      Refletir para tentar entender a questão e no momento seguinte tentar agir, ok!
      Até logo!
      Marcelo Souza
      Gerente de relacionamento.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *