Envelhecimento do Cérebro

Você se preocupa com o envelhecimento do seu cérebro?

Se a resposta é não, eu te digo: deveria se preocupar. E contrário a crença popular, principalmente se for jovem.

Explico:

Sua expectativa de vida é muito alta, vivemos numa época a aquisição de novos conhecimentos e habilidades vai ser muito exigida até o final da vida. Ou seja, para garantir qualidade de vida, você precisa manter seu cérebro bem ativo.

Degeneração

Nesse tópico logo de cara vou dar uma boa notícia, e uma má também.

Começando pela notícia ruim, é que existe uma degeneração real, a partir dos 30 anos no nosso cérebro. Ou seja não podemos evitar o envelhecimento natural do cérebro.

A notícia boa, é que esse envelhecimento é bem menor do que se pensava há 20 anos atrás, por conta do avanço da neurociência. O que se descobriu recentemente é que cérebro é o órgão do corpo que menos envelhece.

Além disso, o cérebro tem uma grande capacidade de compensar as perdas.

Uma das maneiras de fazer essa compensação é pela a neurogênese, que é a capacidade de criar novos neurônios. A neurogênese é mais intensa na infância, mas continua mesmo depois da idade adulta.

Já a neuroplasticidade é a capacidade do cérebro formar novas conexões. Como o aprendizado está diretamente ligado a criação de conexões,  quando aprendemos uma coisa nova criamos um novo caminho através dos neurônios, fortalecendo o cérebro como um todo.

Outros experimentos mostram que quando uma determinada área do cérebro é destruída por algum motivo, outras áreas podem, se estimuladas assumir, as funções e o controle do que foi danificado. É como se o cérebro compensasse com outros neurônios que não estão sendo muito usados para ajudar na recuperação.

Isso é percebido quando pessoas que sofrem acidentes que afetam atividades motoras e cognitivas, e com o tempo vão recuperando suas habilidades.

Cérebro Jovem X Maduro: Diferenças

Recentemente uma pesquisa mostrou que pessoas a partir dos 40 anos acabam mudando a forma de raciocínio, começam a usar melhor os hemisférios direito e esquerdo do cérebro. Isso comprova que apesar da degeneração celular do cérebro, com prática e novas aprendizagem nosso cérebro pode se tornar cada vez melhor.

Experimentos recentes mostram que cérebro jovem apresenta uma inteligência mais rápida, fluída. Por isso, os mais jovens tem mais facilidade com a realização de multitarefa constantemente, conseguindo chavear a atenção a diversas tarefas com mais rapidez.

Já o cérebro maduro, possui uma amplitude de conhecimentos gerais maior, além de possuir uma inteligência social também mais desenvolvida.

O lado do bom de o cérebro mais maduro ser mais lento, é que as pessoas mais velhas erram menos, já que tem mais tempo para ponderar antes de agir.

Crescimento/Manutenção

Cerebro

Para manter a capacidade cognitiva do cérebro sempre afiada, precisamos exercitá-lo fazendo atividades intelectualmente estimulantes.

Curiosamente existe uma pesquisa que indica que acontece uma degradação do QI das pessoas em situações como a vida após a conclusão da faculdade ou então na vida de aposentado. Suspeita-se que isso se deve ao fato de que nessas fases a pessoa fica com a impressão de que não precisa aprender mais nada. Além disso não condizer mais com a realidade que vivemos, de constante inovação, essa atitude acaba causando grande danos no cérebro.

Algumas das atividade mais citadas como boas para manter o cérebro são aquelas como leitura e palavras cruzadas. O problema das palavras cruzadas, por exemplo, é quando a pessoa se torna “craque” nessa atividade, e isso faz com que se torne apenas um lazer, mas sem grandes novidades que realmente estimulem a neuroplasticidade.

A dica então é  aprender (e ler!) sempre coisas novas, tais como estudar uma nova língua, fazer um novo esporte, jogar um jogo diferente e por ai vai.

Corpo São, Mente Sã

Um dos maiores pecados das escolas atuais é manter os alunos sentados na maior parte do tempo. Isso prejudica bastante a capacidade de aprendizado da criança.

Atividade física é sim uma maneira aprender coisas novas e auxiliar a aprendizagem mesmo em áreas não motoras. Ela proporciona uma maior oxigenação no cérebro, ajuda na neurogênese e na neuroplasticidade. O grande segredo é aprender novidades tanto em termos de atividades físicas como intelectuais.

Depois de todas essas informações, faça essa pergunta para si:

Como anda seu cérebro?

A partir de hoje, o que você pretende fazer de diferente para melhorar o funcionamento do seu cérebro? O que vai ser mudado na sua rotina?

Conte para nós nos comentários do blog e vamos discutir tudo isso!

37 Comentários


  1. Oi Ana, Estou amando Cada vez mais seu blog, são dicas realmente úteis.
    Eu sempre gostei de estudar de aprender mesmo, não decorar…..
    Eu sempre fui taxada de a aluna dos porquês? Isso às vezes embaraçava os professores.
    Fiz minha faculdade já na idade adulta, depois dos 35 anos e logo após 2 Pos.
    Hoje meus desafios são outros, aos 44 anos me mudei para Itália para trabalhar e aprender italiano, não foi tão difícil em 1 ano já dominava a língua.
    Depois aos 48 anos me mudei para Alemanha para trabalhar, com nível zero de conhecimento da língua. Já melhorei muito, mas ainda está sendo um grande desafio na minha vida, porque essa língua é completamente diferente, com uma construção de frases e gramática de enlouquecer…..
    Agora com 51 anos ainda estou na briga…ainda não domino a língua, mas tenho motivação e perseverança que ainda vou falar, escrever e ouvir fluentemente esse idioma e sem sotaque kkkkk muita pretenção ne?
    Seu site está me ajudando demais, pena que conheci tão tarde. Mas antes tarde do que nunca.
    Muito obrigada pela tua generosidade, simplicidade, humildade em passar tantos conhecimentos que eu posso imaginar quanto (em todos sentidos) te custaram.
    Muito obrigada mesmo, pode ter certeza que está cumprindo a tua missão.
    Muitas energias boas pra você é tua vida
    Namaste
    Cristina

    Responder

    1. Uau, Cristina, vc definitivamente é do meu time: uma eterna aprendiz! 🙂
      Alemão não é moleza, cheguei a estudar um pouco durante o mestrado, mas acabei parando para focar mais na dissertação… rss….
      Fico feliz em estar ajudando na sua jornada.
      Um grande abraço!

      Responder

  2. E eu acabo de descobrir que cuidava do meu cérebro desde criança, sem saber! Eu sempre detestei dubladores. Quando eu percebia q o filme não era na lingua original dos atores,eu nem assistia. Eu já falava ” mas eu já sei falar português! ” desde essa época, e ainda hj, eu assisto a filmes e Minisseries só com legenda,e simultaneamente vou “casando ” a fala com a escrita, pra aprender pronúncia e o significado das palavras. Foram e são as melhores aulas que eu sempre tive em língua estrangeira.

    Responder

  3. Oi Ana sou Roselane formada em medicina chinesa, fisioterapia e no sétimo período de psicologia, fiquei muito feliz do video sobre o cérebro porque estou sempre estudado e sou naturalmente curiosa pelo ser humano cérebro e fisiologia. Agora estou fazendo seu curso e estou me organizando com ele muito obrigado por vc tb exercitar seu cérebro me me ensinar a lidar com o meu.🙏

    Responder

  4. Oi Xará, tudo bem?
    Eu estou ótima 🙂

    Então, meu cérebro não estava sendo bem cuidado até ano passado, mas esse ano, por uma necessidade de mudança de comportamento, passei a cuidar dele sem saber que estava cuidando…

    E depois desse vídeo vou aprender xadrez (finalmente achei um jogo que possa vir a gostar, não estava me identificando com coisa alguma :\ ) e vou atrás de um XBOX emprestado para poder movimentar meu corpo dentro de casa mesmo 🙂

    E é isso!

    Obrigada!!!

    Responder

  5. Anna, eu sou concurseira. Tento estudar o máximo que eu posso, mais ou menos 6 hs por dia (não acho muito, acho razoável). Mas chega uma hora que começo a ficar muito cansada, até fisicamente. Além da falta de disposição e mal humor, fico sem vontade de malhar, fico menos comunicativa e só tenho vontade de dormir no tempo livre. O que eu posso fazer para continuar estudando, mas com mais qualidade e mais energia, inclusive para as outras atividades???

    Responder

    1. Luna, lendo o seu comentário comecei a pensar em como a ciência trata essa questão…
      Não existe um limite confirmado pela ciência com relação a quantidade de horas de estudo por dia.
      Como a ciência não tem uma resposta clara para isso, melhor então é que cada um de nós encontre o nosso limite. Veja este exemplo para ilustrar:
      – Uma vez alguém me disse que o seu limite era de até 6 horas de estudo por dia semelhante o seu aqui dito.
      Então, cada um deve encontrar o seu limite.
      Agora o que você deve fazer ao estudar vários assuntos diferentes, seria fazer o intercalamento entre os assuntos. Por exemplo: estudar por 1 hora um assunto, depois mais 1 hora de estudo com outro assunto diferente do primeiro e assim sucessivamente…
      Não esqueça de fazer uma atividade física, pois irá lhe ajudar a diminuir o cansaço e lhe proporcionar mais disposição.
      Abraço, Marcelo
      Gerente de relacionamento.

      Responder

  6. Muito interessante e útil este vídeo sobre o nosso cérebro. Além de jogos que já utilizo, principalmente xadrez, já iniciei o aprendizado de inglês.

    Responder

    1. Xadrez é um jogo interessante para este aspecto e também na questão da concentração.
      Abraço,
      Marcelo Souza
      Gerente de relacionamento.

      Responder

  7. ADOREI A NEUROGÊNESE E A NEUROPLASTICIDADE! MINHA CABECINHA OCA, QUE PARECE MAIS UM SACO DE FILÓ SEM FUNDO, AINDA TEM SALVAÇÃO! ESTÍMULOS INTELECTUAIS: AÍ VOU EU! BEIJOS!

    Responder

  8. Oi Ana. Excelente artigo.

    Tenho 36 anos e percebo que não penso tão rápido como quando eu tinha 25. Mas como no artigo diz, à medida que o tempo passa, percebo que paro pra prestar mais atenção aos detalhes com o objetivo de errar menos pq me lembro que eu errava muito mais para tentar entregar um trabalho no prazo, por exemplo.

    Mas sinto vontade de ter as duas situações. Ser rápido e certeiro ao mesmo tempo. Será que isso é possível.

    Tá aí uma necessidade ou um ponto de dor que deve ser de muitos como eu por aí, não é?

    Obrigado e abraço,

    Anselmo Sousa

    Responder

    1. Anselmo, que bom que você gostou do artigo.
      Acho que é plenamente possível ser rápido e certeiro principalmente em determinadas circunstâncias, determinadas situações de nossas vidas.
      Abraços.

      Responder

  9. parabens! gostaria de receber mais informçoes acerca deste ensino,sou pedagogo e psicopedagogo,tenho pouco conhecimento nesta area,e gostaria de receber mais informaçoes e cursos.até a proxima…

    Responder

  10. Mais um excelente artigo, Ana Lopes!
    Para melhorar o funcionamento do meu cérebro pretendo iniciar brevemente um curso de espanhol.
    Abs.

    Responder

    1. Suely, que bom que você se estimulou em fazer um curso de espanhol, né!!
      Abs.

      Responder

  11. Tenho 67 anos e ha 15 anos estudo línguas como forma de manter meu cérebro ativo. Me sinto satisfeito com minha memória e raciocinio

    Responder

  12. Adorei a matéria. Quero permanecer em contato com vocês. Como faço?

    Responder

  13. Bom dia, Ana! Muito boa explicação, mas já gostaria de uma orientação a respeito de multitarefa, no caso de se estudar escutando musica instrumental clássica é prejudicial? Adquiri esse hábito desde criança (59 anos) e tinha absoluta certeza de que era produtivo até essa aula com as novidades da neurociência. Outro hábito quando tenho um texto novo (fase de aquisição) costumo andar e ler em voz alta. Você pode me esclarecer o porquê isso não faz bem ao meu cérebro? Pode ser por e-mail? Grata, com minha admiração Marília

    Responder

    1. Oi, Marília, vou responder por aqui para que todos possam aproveitar e aprender, ok?
      Os estudos sobre estudo com música clássica são inconclusivos. Não há prova de que funcionam ou não. Mas há indícios fortes de que a multitarefa é prejudicial, e a música seria uma forma de manter o seu cérebro em multitarefa.
      Por outro lado, todos esses testes são estatísticos, quer dizer que funcionam para a média da população, e pode haver casos específicos onde a música, se não ajuda, pelo menos não prejudica.
      Andar é ótimo, pq é automatizado e oxigena o cérebro. Falar, se isso não fizer vc perder a concentração, pode estimular a memória auditiva.
      Abraço,
      Ana

      Responder

  14. Ana,você é uma caixa de presentes sempre grata e inovadora. Muito Obrigada! Bjs. Ilka Kaji.

    Responder

  15. Muito interessante. Os neuronios se renovarem… Eu desconhecia esse fato!

    Responder

  16. ESTOU COM 56 ANOS E NUNCA MIM ENTREGO …. VOU CONTINUAR ESTUDANDO ….VOU VIAJAR PRA OCEANIA E PESQUISAR PASSEAR , …

    Responder

    1. Plácido, muito bom este seu pensamento em direção a continuidade dos estudos…até a possibilidade de entrar em contato com outros lugares…bacana!!
      Até.

      Responder

  17. Para melhorar o funcionamento do meu cérebro, vou continuar como meu curso de Inglês.

    Responder

  18. Tenho 46 anos, pratico artes marciais e musculação, estudo guitarra e toco em banda, trabalho como administrador de condomínios e vou fazer um curso de aperfeiçoamento aos sabados durante um ano. Sempre gostei de fazer muitas coisas. Estou no caminho certo?

    Kleber Sampaio

    Responder

    1. Kleber, é muito saudável fazer várias atividades….você só deve cuidar para não ficar com excesso de atividades…pois o seu prazer pode vir a ficar comprometido, ok!!
      Abs.

      Responder

  19. Olá Ana tudo bem, já te acompanho há muito tempo.Gostaria de saber como vc faz esses videos com o Mindmap.Comheço o mindmap.Queria saber como vc insere o audio e vai dando movimento? Sou leiga no assunto.
    Ficarei grata pela dica..
    bjssss

    Responder

    1. eu monto a apresentação com um recurso do iMindMap Ultimate e gravo com o Camtasia, Eneli.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *