Cursos online: gratuitos ou pagos, um caminho cada vez antenado com o século XXI

Curso Online Grátis ou PagoA oferta de cursos online no Brasil não é exatamente uma novidade, mas o seu crescimento e visibilidade aumentaram de forma exponencial nos últimos anos. O aumento da oferta e da qualidade deste tipo de curso se deve principalmente aos avanços tecnológicos, especialmente à maior difusão da Internet de banda larga por todo o país.

Vamos explorar algumas temas interessantes de se refletir antes de se decidir por fazer ou não um curso online:

Cursos online oficiais X cursos livres

Faça a sua graduação em casa

Hoje é possível fazer graduações inteiras ou mesmo uma pós-graduação em formato totalmente online ou semipresencial. Neste último caso, um pequeno percentual das aulas podem exigir a presença física dos alunos. Em outras situações, apenas as avaliações são presenciais.

Uma instituição famosa pelos seus cursos de graduação semipresenciais, que são oferecidos por um consórcio das maiores universidades públicas do Rio de Janeiro, é o CEDERJ.

O CEDERJ causou um grande alvoroço no meio educacional quando os seus primeiros formandos começaram a tirar notas excelentes no ENADE (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes). Na verdade, o desempenho do CEDERJ tem sido melhor que o de muitos cursos presenciais tradicionais, calando a boca de muita gente que “torcia o nariz” para o modelo inovador que ele oferecia.

Isso mostra que um curso de Educação a Distância pode ter até mais qualidade que um curso presencial, ao contrário do que se pensava há alguns anos, quando a EaD era considerada sinônimo de baixa qualidade e até de enganação.

Cursos livres na vanguarda da Educação

Obviamente, se você tem a intenção de fazer o seu curso online para atuar em uma profissão cujo ensino seja regulamentado pelo MEC, você terá que estudar em uma instituição formalizada.

Mas não se engane: os chamados cursos livres também tem muito a oferecer. Cursos livres são aqueles que não precisam de autorização do MEC para funcionar, o que significa que eles tem muito mais flexibilidade no conteúdo e no formato.

Sem as amarras da formalidade e dos famigerados currículos oficiais, os conteúdos dos cursos livres tendem a ser mais focados nas necessidades e preferências dos alunos. Além disso, a própria dinâmica do curso pode ser muito mais interessante, com o uso de vários recursos tecnológicos e pedagógicos que o ensino formal tem dificuldade de incorporar.

Os cursos livres são excelentes alternativas para o que se costuma chamar educação continuada, onde o principal objetivo é a atualização profissional de alguém que já está formado e atuando no mercado de trabalho.

Um curso livre também pode complementar a sua formação “oficial” mesmo quando você ainda está na graduação, já que o processo de mudança da grade curricular de uma graduação é muito lento e burocrático. Com isso, vários cursos acabam defasados em relação ao mercado de trabalho.

Algumas profissões novas, ou as profissões ainda sem regulamentação, podem ser aprendidas por meio de um ou  mais cursos livres. Geralmente esses cursos são bem atualizados e têm uma duração bem menor em relação a uma graduação tradicional, além de ter um custo muito mais baixo. É um bocado de vantagens… 😉

Como um exemplo, se você quiser atuar na área do que hoje se costuma chamar de marketing digital, uma graduação em Publicidade não vai ensinar praticamente nada do que você precisa de fato para atuar neste mercado.

O único caminho – que tem sido percorrido por muita gente – é ir à luta e montar seu próprio “currículo” com base em cursos livres que atendam aos seus interesses específicos.

Cursos livres são ótimos também para você aprender ou se aprimorar em hobbies. Eu por exemplo, aprendi a fazer patchwork (artesanato com retalhos de tecido) em um curso livre 100% online. 🙂

Curso online é mais difícil?

Em uma pesquisa feita há alguns anos na PUC do Rio sobre cursos de Educação a Distância fez-se o seguinte experimento: uma disciplina do curso de Pedagogia foi dividida em duas turmas: em uma das turmas, a disciplina era dada em formato online, na outra, os alunos tinham aulas presenciais tradicionais.

Na avaliação final da disciplina, os alunos da turma online relataram que acharam o conteúdo da disciplina “muito extenso”, enquanto que os alunos da outra turma acharam o conteúdo normal.

Só que tinha um detalhe… O conteúdo, a bibliografia, as tarefas e as avaliações eram rigorosamente as mesmas para as duas turmas!

Este é um resultado que se repete pelo mundo afora… a questão é: por quê?

Estudo Ativo

Bem, a verdade é que no ensino online o aluno é induzido (quase obrigado mesmo!) a ter uma postura muito mais ativa em seus estudos. A mesma aula, assistida presencialmente ou em vídeo, gera  atitudes mentais muito diferentes em quem a assiste.

Na aula tradicional já existe uma cultura arraigada de passividade, é como se todo mundo ligasse (ou desligasse!) um botão assim que pisa em sala. Chega a ser impressionante como as pessoas nem mesmo percebem o quanto elas são passivas e inertes em sala de aula.

O pior é que a grande maioria sequer desconfia o tamanho do colossal desperdício de tempo esta passividade automática representa na vida delas. 🙁

Já quem estuda online normalmente está muito mais consciente de que se não prestar atenção no vídeo agora, vai ter que assistir novamente depois. Ou seja, tempo gasto em dobro.

O que muita gente não se da conta é que no ensino presencial TAMBÉM é assim. Quem não presta atenção na aula acaba tendo que estudar tudo de novo depois como se estivesse vendo pela primeira vez! Só que psicologicamente, as pessoas não contam o tempo de sala de aula como tempo de estudo…

Mas como mostra o experimento da PUC e vários outros pelo mundo, a suposta “maior dificuldade” é muito mais uma sensação subjetiva do que uma real diferença no volume de material a ser estudado. Ter consciência disso já é um grande passo para não cair na armadilha de se sentir sobrecarregado onde não existe uma sobrecarga real.

Se o seu curso online está parecendo pesado, provavelmente uma versão presencial dele também seria puxada, principalmente se você está disposto a levar os estudos a sério. 😉

Aprenda a aprender com um curso online

Técnicas de Aprendizagem

A experiência de fazer um único curso online pode ser transformadora, a começar justamente pela mudança de postura na hora de assistir a aula que ela provoca.

Além disso, ao tornar-se uma aprendiz ativa, a pessoa tende a tornar-se também mais consciente do próprio processo de aprendizagem e a selecionar estratégias e métodos que funcionem melhor para ela.

Enfim, fazer um curso online pode levar você a aprender a aprender de uma forma que você normalmente não faria em um curso presencial.

Leia também: aprender a aprender torna a sua educação mais barata

Agora, a melhor parte: estas novas habilidades de estudo e organização obtidas em cursos online podem ser levadas para o ensino presencial e mudar completamente a sua experiência e os seus resultados nele.

Tá ficando interessante? Então Descubra outros 6 benefícios de aprender a aprender

Como escolher um curso online?

Curso Online: como escolher?Uma das grandes belezas dos cursos online é que eles criam oportunidades de aprendizagem para pessoas que de outra forma ficariam isoladas do mundo do conhecimento.

Acontece que a facilidade de acesso gerada pela Internet acabou criando uma situação inusitada para todos nós: excesso de oportunidades.

Para lidar com este excesso, é preciso apurar nossa capacidade de escolha. Por que gastar o seu recurso mais precioso – o tempo – com um curso “mais-ou-menos”, quando existem centenas de outros, potencialmente excelentes?

O mesmo clique que te leva a um curso ruim pode te levar a um treinamento transformador, se você souber escolher com critério.

Infelizmente, não existe estratégia simples para selecionar bons cursos online. Você vai precisar adquirir alguma experiência com este universo para afiar o seu olhar clínico! 😉

Ainda assim, alguns critérios clássicos, iguais aos que você usaria para escolher um curso presencial podem ajudar. No entanto, eu faria algumas ressalvas a eles…

Vamos ver?

Critério da autoridade

Se quem está oferecendo o curso tem boas credenciais, é bastante provável que o curso tenha qualidade.

  • Por outro lado… diplomas e certificados de instituições renomadas não garantem a qualidade de um profissional específico. Se assim fosse, todos os médicos formados na USP seriam tão bons quanto o Adib Jatene1.

Critério da antiguidade

Se instituição já está há algum tempo no mercado, em princípio eles devem saber alguma coisa do que estão fazendo.

  • Por outro lado… a educação está em crise no mundo inteiro e boa parte disso se deve a enorme resistência das instituições tradicionais em mudar a forma de ensinar. Quem – como eu – já fez disciplinas absurdamente mal dadas em grandes Universidades Federais – conhece este problema de perto!

Critério da abrangência

Quanto maior e mais abrangente o curso, maior a possibilidade de você se tornar realmente bom naquele tema ao concluí-lo.

  • Por outro lado…  medir a qualidade de um curso pela quantidade de “horas-aula” é um  vício herdado do mundo acadêmico, que nem sempre se justifica. Antes de investir 400 horas em uma especialização formal que vai consumir 18 meses (e algumas noites!) da sua vida, considere se um curso livre dado por um especialista com uma boa experiência prática de mercado não é mais adequado para resolver a sua necessidade de forma mais direta e rápida.

Dito tudo isso, algumas verificações específicas são importantes na hora de decidir (ou não) por fazer um curso online:

  • Infraestrutura de rede: o ambiente de aprendizagem fica disponível 24 horas por dia? Existem recursos para se trabalhar off-line, caso haja alguma indisponibilidade?
  • Acesso: alguns cursos limitam o número de acessos aos recursos, Por exemplo, vídeos que só podem ser tocados um certo número de vezes. Outros cursos já tem limites de acesso pelo tempo, que pode ser de algumas semanas a alguns meses, e em alguns casos até por um ou dois anos. Outros ainda, exigem o cumprimento estrito do cronograma, bloqueando o acesso no final dele. Verifique se os limites de acesso atendem a sua necessidade antes de se matricular.
  • Atendimento pedagógico e suporte: saiba que suporte e o atendimento pedagógico são coisas diferentes. O suporte ajuda você com problemas técnicos (acesso, senhas) e financeiros. Tenha ciência de que dificilmente um curso gratuito ou de baixo custo vai oferecer suporte pedagógico. E mesmo nos mais caros, certifique-se de que você vai obter o tipo de apoio que espera ter.
  • O curso propõe exercícios e atividades práticas? Cursos puramente teóricos, sem nenhum tipo de prática costumam ter baixa utilidade, porque não favorecem uma aprendizagem profunda. Acabam funcionando mais como livros eletrônicos que como cursos de verdade. Esteja atento!
  • Existe um fórum ou grupo de discussão com os outros alunos? Neste caso é importante verificar se o fórum está realmente ativo, pois muitas vezes ele é oferecido é não é efetivamente usado pelos alunos. Isto é um item bastante interessante, já que a aprendizagem colaborativa costuma ser extremamente enriquecedora.
  • Haverá eventos ao vivo durante o curso? Alguns cursos oferecem aulas ao vivo, e nesse caso você precisa verificar se o seu calendário se ajusta ao das aulas, se elas são obrigatórias e se as gravações ficam disponíveis caso você não consiga assistir no horário estabelecido.
  • É oferecida alguma ferramenta auxiliar? Ela é de uso obrigatório ou opcional? Aqui a variedade possível é imensa, e vai depender muito do tema do curso e da criatividade do instrutor: áudios, aplicativos, planilhas, simulados, jogos, enfim, uma infinidade de recursos pode ser usada para enriquecer e facilitar a sua aprendizagem. Descubra e experimente!

Cursos gratuitos online valem a pena?

Cursos Online Gratuitos
Quanto valem os seus outros recursos, como tempo e esforço?

É impressionante a quantidade de cursos gratuitos online que você pode encontrar na Internet, nas mais variadas áreas.

Se você souber inglês então, a coisa é de enlouquecer, já que as maiores universidades do mundo oferecem aulas dos seus melhores professores abertamente para quem quiser assistir.

O blogueiro americano Scott Young, por exemplo, estudou o curso de Ciência da Computação do MIT inteirinho sem sair de casa. O mais impressionante é que ele fez isso em UM ano, ao invés de quatro! :O

Ele relatou esta incrível experiência no seu blog e depois no TED.

Conheça 3 palestras TED que vão mudar o seu jeito de ver a aprendizagem

No Brasil você pode se deliciar com iniciativas como o veduca, onde dá para encontrar materiais excelentes de grandes universidades brasileiras e também do exterior, algumas legendadas.

Em termos de cursos livres, a oferta de cursos gratuitos é praticamente infinita. Basta buscar pelo tema da sua preferência e logo você vai encontrar algum curso ou palestra sobre ele gratuitamente.

É claro que é preciso ter em mente que um curso online gratuito geralmente tem seus limites.

Normalmente este tipo de curso oferece pouco ou nenhum suporte, a não ser que ele seja parte de algum grande projeto que seja custeado por um governo, Fundação ou ONG. Um exemplo disso é a famosa, gigantesca e maravilhosa Academia Khan.

Não se deixe levar facilmente pela sedução da gratuidade. O seu tempo é muito mais precioso que qualquer dinheiro que você esteja economizando ao fazer um curso grátis de baixa qualidade.

No final das contas, em meio à verdadeira avalanche de oportunidades disponíveis nos dias de hoje, os critérios para escolher se você vai ou não investir seus recursos – tempo e esforço – em um curso gratuito devem ser os mesmos que você usaria para escolher um curso pago.

Ou você acha que seu tempo e sua energia não valem nada e podem ser jogadas fora? 😉

Quem pode fazer um curso online?

Um mito muito comum sobre cursos online é de que eles só seriam apropriados para um certo tipo de aluno, com uma suposta inteligência e disciplinas “fora do comum”.

Mas ao contrário do que se acredita por aí, a inteligência das pessoas não é fixa e disciplina é uma habilidade que se aprende. Ou seja:

Um curso online pode ser uma ótima oportunidade de expandir sua inteligência e treinar a sua disciplina.

Na sua essência, os cursos online não são assim tão diferentes dos cursos presenciais, principalmente para quem leva os estudos a sério. Se você está comprometido em conseguir algo além de um diploma para pendurar na parede, o seu curso – seja online ou offline – vai exigir um bocado de esforço e comprometimento da sua parte.

Que tal então começar se inscrevendo aqui no Mais Aprendizagem e receber material exclusivo sobre como aprender com mais eficiência e extrair mais valor dos seus cursos?

Role a tela para baixo e deixe o seu e-mail! Você ainda vai receber uma sequência de videoaulas exclusivas, que só as pessoas cadastradas tem acesso!

E aproveite para deixar o seu comentário: o que você acha de aprender online? Já teve a experiência? Como foi? Se não teve, o que está segurando você?

1Adib Jatene foi autor da primeira cirurgia de ponte de safena no Brasil e criador do primeiro coração-pulmão artificial do Hospital das Clínicas.

8 Comentários


    1. Oi, Lelio, que bom que sentiu falta! A gente está se programando para voltar a publicar novos vídeos em breve… 😉

      Responder

    1. Olá, Jhonatas. Que bom que esta postagem te ajudou. Obrigada pelo seu comentário.

      Responder

  1. Muito bom! Sempre achei que os cursos online eram mais difíceis, porque realmente nos faz estudar. Diferente do curso presencial, que muitas vezes, por diversos motivos, só estamos com o corpo presente! Eu fiz uma pós-graduação online e fiquei reprovada. Apesar do curso ser excelente, eu estava tomando medicações que afetaram a minha cognição, então não conseguia ter rendimentos satisfatórios. Mas vou tentar novamente! É uma pena que para certos concursos, os cursos online não contem como títulos!

    Responder

    1. Olá, Tatiana, que bom que gostou do artigo. Espero que consiga a aprovação na próxima vez!

      Responder

  2. Excelente artigo. Estava na dúvida em fazer um curso online, mas agora não tenho mais. Na verdade, gostaria de saber se você conhece algum curso da área de saúde que seja referencia

    Responder

    1. Olá, Márcio. Que bom que o artigo te ajudou nessa decisão.
      Infelizmente não temos nenhum curso para indicar.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *