Cérebro humano: 5 razões para se apaixonar por ele

Algumas vezes o nosso cérebro parece não querer colaborar com nossos objetivos ou com nossas melhores intenções, principalmente na hora de aprender aquela matéria tão importante. Mas se você parar para compreender melhor esta pequena maravilha da natureza que é o cérebro humano, vai encontrar muitas razões para amá-lo apaixonadamente.

Neste artigo você vai descobrir que o cérebro:

No final do artigo, você ainda vai descobrir outras curiosidades apaixonantes sobre o cérebro, este que é o mais deslumbrante de todos os órgão do nosso corpo.

Ah, não deixe de conferir as sacadas práticas que podemos tirar disso tudo para turbinar os estudos!

(Quase) mais rápido que um avião

O cérebro humano é quase tão rápido quanto um avião. As informações viajam dentro do nosso cérebro a uma velocidade de 430 km por hora. Isso equivale a velocidade tiro de um pequeno avião comercial e é mais do que um carro de Fórmula 1 pode atingir. Imagine tudo isso acontecendo no pequeno espaço que existem entre as suas orelhas!

De agora em diante, acho que você vai pensar duas vezes antes de achar que você tem um raciocínio lento… 😉

Na verdade, processamos uma quantidade infinita de informações enviadas o tempo todo para a nossa mente através dos cinco sentidos. Isso sem contar com as informações que chegam de dentro do nosso corpo!

Boa parte deste processamento ocorre de forma subconsciente e sofre um rigoroso processo de seleção. Esta seleção faz com que a gente esqueça ou até mesmo nem registre 99% das informações que chegam. Este mecanismo de seleção e esquecimento evita uma sobrecarga de informações que seria incapacitante.

Isso fica evidente no trabalho do pesquisador Alexander Luria sobre um homem chamado Solomon Shereshevsky. Ele possuía uma memória absoluta (ou seja, ele lembrava de tudo o que já tinha passado na sua frente), fenômeno conhecido como hipermnésia.

Solomon, no entanto, apresentava sérias dificuldades de raciocínio e adaptação social: o excesso de lembranças o deixava em um permanente estado de confusão e agitação mental.

O cérebro humano é o órgão que menos envelhece

O cérebro envelhece menos que os outros órgãos. Quem não tem medo de perder a agilidade mental com o passar dos anos?

A boa notícia é que o cérebro humano é o órgão do corpo que se mantém em melhores condições até o final da vida.

Claro que isso não se aplica para casos em que ocorrem doenças específicas do sistema nervoso, com mal de Parkinson ou doença de Alzheimer.

No entanto, mesmo essas doenças podem ser evitadas ou adiadas com um pouco de ginástica cerebral ao longo da vida. Se você já está procurando formas de exercitar o cérebro, esqueça as palavras cruzadas: as atividades mais eficientes para manter o nosso amigo em forma são a leitura e a aprendizagem de coisas novas.

Três armas contra o envelhecimento do cérebro

O cérebro humano envelhece mais lentamente porque possui três mecanismos que compensam a perda natural de neurônios ao longo da vida.

  • Conforme os neurônios vão sendo perdidos, novas conexões são feitas entre os que permanecem intactos. E são as novas conexões que mantém o nosso cérebro jovem. Afinal, o estudo do cérebro do Einstein já nos mostrou que a quantidade de conexões entre os neurônios é muito mais importante que a quantidade neurônios em si.
  • O segundo mecanismo que mantém o nosso cérebro jovem é que justamente em uma das áreas mais importantes para o bom funcionamento da mente, o hipocampo, tem uma característica especial: ele continua formando novas células nervosas mesmo quando já estamos com a idade bastante avançada.

O hipocampo é uma região do cérebro crucial na formação da memória. Sua capacidade de regeneração está intimamente ligada a nossa capacidade de aprender coisas novas até o fim da vida, por isso é tão bom saber que ele continua produzindo neurônios o tempo todo. 😀

  • Finalmente, o cérebro possui muito mais neurônios do que ele realmente precisa para realizar a maior parte das suas atividades. Esta característica pode ser comprovada pelos inúmeros casos de pessoas que perderam ou tiveram que remover partes enormes do seu cérebro. Muitas delas conseguem, depois de algum tempo de recuperação, voltar a funcionar normalmente na sua vida cotidiana. O tempo de recuperação é justamente o tempo necessário para a formação de novas redes neuronais que irão assumir as antigas funções.

Nosso cérebro fica muito melhor depois dos 40

O cérebro fica melhor com a idade. Algumas pesquisas indicam que a nossa mente costuma dar uma espécie de salto evolutivo em torno dos 40 anos. O motivo para isso é fascinante, e está novamente ligado as conexões neuronais.

Cada vez que você aprende algo novo ou passa por novas experiências, você está criando novas conexões na sua mente. O acúmulo de experiências e aprendizados (formais ou informais) vai criando ao longo dos anos uma rede de conexões cada vez maior e mais complexa.

Então, por volta dos 40, o acúmulo de interconexões no cérebro começa a funcionar como uma grande orquestra bem afinada. Isso faz com que a pessoa passe a ter uma maior capacidade de produzir pensamentos mais abrangentes e complexos. O fenômeno é similar ao que ocorre quando alguém torna-se um expert em determinado assunto.

Nem tudo, porém, são flores no caminho do desenvolvimento cerebral. O cérebro está entre os órgãos que mais sofrem os efeitos do estresse, juntamente com o coração, os vasos sanguíneos e os rins.

Ou seja, para colher os benefícios de uma vida recheada de novas aprendizagens, você também precisa levar uma vida menos estressante.

O cérebro precisa de gordura e energia para funcionar

Chocolate faz bem para o cérebro. Mais de 50% do nosso cérebro é composto de gordura. Esta gordura inclui uma importante substância chamada mielina, que é fundamental na formação das memórias de longo prazo.

A mielina é o que forma a chamada massa branca do cérebro, em oposição aquela parte que chamamos de massa cinzenta.

Essa composição é um excelente motivo para você introduzir um pouquinho mais de gorduras na sua alimentação. É por isso que entre os alimentos que turbinam o cérebro, você tem principalmente aqueles ricos em gorduras de boa qualidade, como castanhas, peixes, abacate e azeite, só para citar alguns exemplos mais conhecidos.

Aliás, o nosso cérebro é um “sujeito” bem guloso. Apesar de ter apenas de 2 a 3% da massa corporal ele consome 20% do oxigênio que respiramos e de 15 a 20% da glicose disponível no sangue.

Ou seja, cortes radicais de carboidratos podem ser uma péssima ideia para quem precisa de o cérebro funcionando em 100% da sua capacidade. Além disso, aquela barrinha de cereais é realmente importante para manter o pique naquela prova que você leva 4 ou 5 horas para fazer.

Agora, para completar nossa felicidade alimentar e mental, chocolate e café tem efeitos positivos comprovados sobre a concentração, o bem-estar e a memória. 😀

Ainda assim, cuidado com que você come!

Veja o que este estudo feito com estudantes de Nova York mostrou:  aqueles que almoçavam comidas com muitos sabores artificiais, conservantes e corantes tinha um desempenho 14% menor em testes de QI em relação aos estudantes que comiam uma alimentação mais natural.

Nem precisa dizer mais nada, né?

O cérebro humano não é perfeito… e está tudo bem!

O pesquisador e escritor americano Daniel Goleman comenta no seu livro “Foco” que:

O cérebro humano está entre os designs bons o bastante, mas não perfeitos, da evolução.

Design do cérebro humanoPara termos de comparação, um outro exemplo de evolução “menos que perfeita” citado por Goleman é o da coluna vertebral. A coluna e o cérebro cumpriram razoavelmente bem o seu papel de nos trazer até aqui como espécie, mas não funcionam exatamente de forma “ótima” no mundo moderno.

A coluna evoluiu em um ambiente de constante atividade física e mudanças de posição. Já o  cérebro evoluiu em um ambiente em que tudo o que era realmente importante era concreto e imediato.

Em outras palavras, a evolução não nos preparou para o sedentarismo nem para abstrações. Não é por acaso que tanta gente tem dor na coluna. Também não é à toa que a maioria das pessoas tem dificuldades de aprendizagem em matérias mais abstratas, como matemática…

Ainda assim, o cérebro humano é um “equipamento” impressionante. Você só precisa entender as suas sutilezas e aprender a como lidar com ele do jeito que ele costuma funcionar melhor. Você pode, por exemplo, aprender técnicas de memorização. Elas ajudam a transformar conhecimentos abstratos em coisas mais concretas, facilitando (e muito!) o trabalho do nosso amigo na hora de aprender.

Curiosidades Apaixonantes

Existem algumas curiosidades sobre o cérebro que são bem… digamos…  curiosas! E algumas delas são simplesmente apaixonantes:

Cérebro humano apaixonado

  • Você sabe por que bocejamos? Esta é uma forma natural de resfriar o cérebro, já que a privação do sono aumenta a temperatura dele.
  • O número de conexões existentes no cérebro humano é maior do que o número de estrelas existentes na nossa galáxia. Não é à toa que se diz que a mente de cada um de nós é considerada um universo por si só. 🙂
  • Na verdade, apesar de se falar em massa branca e massa cinzenta, o cérebro não é exatamente nem branco nem cinza. O cérebro vivo tem uma cor rosada, devido ao fluxo sanguíneo.
  • As pesquisas mais recentes mostram que o cérebro humano só está completamente maduro em torno dos 25 anos de idade. Isso certamente tem relação direta com o fato dele envelhecer lentamente… tudo tem seu preço, certo? 😉
  • Você certamente já viu a foto ou um desenho de um cérebro e percebeu que ele é todo enrugadinho… Já parou para pensar por que o cérebro tem todas aquelas rugas? Na verdade, elas tem uma nobre função:  aumentar a superfície total do cérebro.  E é justamente esta área superficial – o neocórtex – que usamos para realizar todas as funções cognitivas superiores, como raciocínio e memória, por exemplo. Ou seja, as rugas é que fazem de nós a espécie mais desenvolvida do planeta! Chega a ser poético…
  • Pesquisas recentes mostram que o nosso intestino funciona praticamente como um segundo cérebro. Existem indícios de que a composição da flora intestinal pode inclusive explicar alguns casos de depressão. Isso acontece – entre outras coisas – porque boa parte da serotonina que precisamos é formada no intestino. E a falta de serotonina circulando no cérebro é um dos principais causadores da depressão.

Sacadas Práticas

Que tal aplicar um pouco do que você aprendeu por aqui no seu dia a dia? Vamos resumir algumas sacadas práticas que você pode incorporar no seu dia a dia para melhorar o desempenho nos estudos.

  1. Sacadas para usar melhor o cérebroNão queira memorizar tudo o que vê pela frente. Aprenda a selecionar o que realmente importa e você terá mais clareza de pensamento.
  2. Esteja sempre aprendendo coisas novas. E acredite na sua capacidade de aprender em qualquer circunstância (porque ela é real e está disponível para você agora, é só começar a usar!).
  3. Alimente bem o seu cérebro! Ele precisa de gorduras boas e muita energia. E cuide do que faz bem ao seu intestino também, porque ele também faz parte desta equação. 😉
  4. Compreenda o funcionamento e as limitações do cérebro humano, para aprender a lidar da melhor forma possível com elas. Assim você vai ser capaz de obter o máximo poder da sua mente. Em outras palavras, você precisa aprender a aprender.

E você, tem mais alguma sacada para compartilhar com a gente? Alguma coisa que deixa você apaixonado ou apaixonada pelo seu cérebro? Escreva nos comentários abaixo, eu vou adorar saber! 😀

14 Comentários


  1. Despois de mais de oito meses finalmente consegui assistir todos os vídeos do YouTube que estavam disponíveis nos seus dois canais (Mais Aprendizagem, Byanna) e estou maravilhado e muito grato pelo seu excelente trabalho! Aprendi MUITO com as suas aulas. Parabéns e obrigado por compartilhar seu conhecimento ♥

    Responder

  2. Ana não cosigo assistir sua aulas a noite. Gostaria de receber o link para assisti- las depois.Ficarei muito grata.

    Responder

      1. Olá Ana boa tarde sou Eliézio Ferreira tenho acompanhado os seus vídeos no YouTube e tenho me eificado muito com as suas aulas. Contudo quero te pedir uma dica.
        Quando eu leio apenas com os olhos eu não consigo entender nada do que leio, para eu entender é necessário que eu faça uma leitura em voz alta e eu sinto que me prejudica na velocidade de leitura Você pode me dar uma dica, me prejudica tb quando vou fazer prova que é necessário ler apenas com os olhos.

        Responder

        1. Opa, Eliézio, tudo bem? Aparentemente vc tem um vício forte de subvocalização, o que de fato atrasa a leitura.
          Veja as coisas deste jeito: se vc consegue pensar sem falar em voz alta, vc tb consegue entender um texto vocalizar. É só uma questão de treino.
          Vc pode começar sussurrando ao invés de falar em voz alta propriamente dita. Outra coisa que vc pode fazer para superar este obstáculo é imaginar o som da sua leitura na cabeça. Isso tudo é para vc perder a dependência de ouvir a sua voz. Quando já estiver tranquilo com isso, aí sim vc pode começar a buscar exercícios que reduzem a subvocalização, com uma leitura mais visual, que aí sim será mais rápida. 😉

          Responder

  3. Eu tenho um tio de 68 anos que trabalha igual um garotão num sitiozinho que ele tem,as vezes ele passa mal de tanto trabalhar e fala,o cérebro acha que o corpo ainda é novo!
    kkkk e não é que ele tem razão então! o cérebro dele que ta um coco ainda!
    Adorei o post!

    Responder

    1. Que barato, Geovane! Admiro demais estes “tiozinhos” que não dão bola para a idade e continuam em frente! 🙂

      Responder

  4. Olá Ana Lopes, meu nome Eleonôra, e vivo no Recife – fiz Bacharelado e Licenciatura em Economia Doméstico, mas, não trabalho na área, porém, meu primeiro filho tem dificuldade na aprendizagem (devido a hora do nascimento ), hj elegal tem 33 anos, com oscilações de entendimento; a paralisia só atingiu a parte cognitiva. Então, eu estou interessada em” aprender a aprender” para transmitir e exercitar a memória dele. E me enterrado também para mim. Pois tenho 56 anos. E não é nada fácil, se anular e cuidar de alguém e deixar um legado/ habito, ultil nele e para ele. Bem, não sei se VC entendeu, mas, eu quero fazer este curso e aprender.
    Obrigada pela sua iniciativa de passar esta maravilhosas informações.
    Agradeço antecipadamente.
    Eleonôra Santos

    Responder

  5. ANA, boa noite.
    Formidável, você me cativa cada vez mais com seus artigos. Meus parabéns! Suas aulas são excelentes e tenho aprendido muito. Imagine você que tenho apenas 77 anos.
    Muito obrigado.
    Sebastião Daniel

    Responder

    1. Formidável mesmo é chegar aos 77 anos com todo este entusiasmo para aprender, Sebastião! Parabéns! 🙂

      Responder

  6. Espetacular!!! A professora Ana Lopes sempre nos surpreendendo com enriquecedores artigos. Excelente! Obrigado.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *